70% no país culpam governo Bolsonaro pelo desmatamento na Amazônia

Publicado em 01/09/2020 por BNC Amazônia

Os números estão na pesquisa Observatório Febraban (Federação Brasileira de Bancos), em parceria com Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas), realizada entre os dias 11 e 19 deste mês com 1,2 mil entrevistados de todas as regiões do país
Para 83% dos brasileiros, o governo Bolsonaro não se empenha para preservar a Amazônia. E 70% deles dizem que o executivo tem “muita responsabilidade” pelo desmatamento ilegal na região, percentual superior dos que acham o mesmo dos madeireiros, 69%.
Os números estão na pesquisa Observatório Febraban (Federação Brasileira de Bancos), em parceria com Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas), realizada entre os dias 11 e 19 deste mês com 1,2 mil entrevistados de todas as regiões do país.
A proposta do presidente Bolsonaro de regulamentar o garimpo em terras indígenas é rechaçada pela maioria esmagadora dos entrevistados. 86% rejeitam essa exploração e 67% são contrários à redução das reservas indígenas.
A novidade da pesquisa foi a realização de uma amostra complementar de 300 entrevistados representando a população adulta da Amazônia Legal (totalizando 456 entrevistados nesta região).
“Trata-se do mais amplo estudo das percepções, atitudes e valores dos brasileiros sobre a Amazônia, acrescentando-se o ineditismo da comparação entre o conjunto dos cidadãos do país e a população residente na Amazônia Legal”, diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.
Ele ainda ressaltou a relevância do tema: “A importância da preservação ambiental vem crescendo de modo significativo, ocupando lugar cada vez mais central na agenda pública.”
Segundo o sociólogo e cientista político Antonio Lavareda, presidente do Conselho Científico do Ipespe, PESPE, a pesquisa se insere no debate sobre a questão ambiental, que foi potencializado pelas sucessivas notícias sobre queimadas, ações de grileiros e madeireiras, conflitos entre indígenas e garimpeiros, sempre associados ao aumento do desmatamento ilegal.
“Nesse contexto, o Observatório Febraban se debruça sobre a pauta da Amazônia, buscando mapear e compreender os avanços da consciência da sociedade brasileira a seu respeito”, afirmou Lavareda.
Percepção local
As opiniões dos moradores da região se assemelham aos brasileiros de outras regiões, mas com um grau menor de pessimismo.
Para se ter uma ideia, enquanto nos demais estados 77% consideram grave o aumento do desmatamento, na região esse número diminui para 71%.
Já 22% dos moradores locais acreditam que a situação melhorou nos últimos anos, ante apenas 12% que têm essa mesma opinião no resto do país.
“O conhecimento da Floresta é consideravelmente mais elevado entre os moradores da região do que no restante do país (52% > 11%), porém, ainda assim quase a metade dos moradores da região (48%) nunca a visitou”, diz um trecho da nota da Febraban.
Principais conclusões
Preservação do meio ambiente
Os brasileiros dão muita importância à preservação do meio ambiente: 74% dos entrevistados afirmam ter muito ou algum interesse por ecologia e meio ambiente.
E a maior parte deles expressa a insatisfação com os esforços de preservação do meio ambiente no país: 78% se dizem pouco ou nada satisfeitos.
Consciência sobre a Amazônia
Chega perto dos 90% o percentual de entrevistados que se dizem preocupados com a preservação da Amazônia: com 55% de “muito preocupados” e 33% de “preocupados”.
Paralelamente, 60% avaliam que a floresta amazônica é o ecossistema mais ameaçado do país. Em segundo lugar, a Mata Atlântica tem 11% de menções.
Importância da Amazônia
Destaque do levantamento é a percepção de relevância da Amazônia, tanto para o país, como para as pessoas individualmente e suas famílias: 77% dos entrevistados consideraram a Amazônia “muito importante” para o Brasil, e 72%, para a sua vida e de sua família.
Na mesma linha, é quase absoluta a concordância com a ideia de que a preservação da Amazônia é essencial para a identidade nacional (94%).
Quem melhor preserva a floresta
Entre os destaques de desempenho positivo na preservação da Amazônia estão as Lideranças Indígenas, com 73% de aprovação, e o Exército brasileiro, com 69%.
Seguem-se em terceiro lugar as Igrejas, com 62%. A aprovação ao desempenho do Governo Federal é de 50%, superior à aprovação do Judiciário (47%) e, principalmente, dos governos estaduais (44%).
Esforços insuficientes para preservação
É elevado o nível de descontentamento com os esforços para preservar a Amazônia: 83% se dizem pouco ou nada satisfeitos.
Governo e madeireiros se igualam no quesito “muita responsabilidade” quando ao desmatamento ilegal da região, com 70% e 69% de índice.
Na sequência, os governos estaduais são “muito” responsabilizados por 67%, fazendeiros (66%) e garimpeiros (65%).
Problemas da Amazônia
Para a maioria dos entrevistados, a população da região enfrenta seus maiores problemas em três áreas: na preservação da Floresta (22%), na Saúde (17%) e na falta de atenção aos indígenas (16%).
Outras questões, embora frequentem o noticiário nacional, parecem ter menor relevância aos olhos da opinião pública, como a regularização fundiária (6%) e a segurança do transporte fluvial (2%).
Consequências do desmatamento
Sobre as consequências do desmatamento, a ameaça à biodiversidade é considerada a mais grave deles (34%), seguida das mudanças climáticas em geral (25%).
A alteração do regime de chuvas no Brasil é o efeito nocivo mais relevante para 11% dos pesquisados. Danos à imagem do Brasil no Exterior (11%) aparecem com maior relevância que o receio de fuga de investimentos (6%).
Punição maior ao desmatamento ilegal e ao garimpo
A grande preocupação com a Floresta explica o apoio ao endurecimento das punições pelo desmatamento da Amazônia (83%).
Mais expressiva ainda é a rejeição à autorização das atividades de garimpo dentro das reservas indígenas (86%).
Manutenção das reservas indígenas
Mais de dois terços (67%) são contrários à redução das reservas indígenas na Amazônia. A preocupação com os indígenas é acompanhada pelo reconhecimento por parte de 58% dos entrevistados de que têm pouco ou nenhum conhecimento sobre a vida e a situação dos povos indígenas, enquanto 35% afirmam ter conhecimento médio.
Pressão internacional
O interesse internacional sobre a região amazônica é assunto controverso. A maioria concorda com o direito de pressão da comunidade internacional pela preservação da Floresta (54%) considerando ser “uma questão que afeta o mundo inteiro”.
No entanto, é significativa a parcela dos que defendem a prevalência da soberania nacional (41%).
Brasileiro conhece Amazônia pela TV
A imagem da Amazônia junto aos brasileiros é rica, forte, carregada de valores e de emoções. Porém, ela é formada à distância: 86% dos entrevistados das outras regiões nunca viajaram para os estados da Amazônia, e 89% não tiveram oportunidade de conhecer presencialmente a Floresta. Apenas 21% considerem-na bem integrada ao país.