Austrália faz pedido formal de desculpas a aborígines

Publicado em 13/09/2018 por A Tarde - BA

Qua , 13/02/2008 às 15:19

Agencia Estado



Líderes aborígines receberam com satisfação o pedido formal de desculpas e o qualificaram como um grande passo adiante, mas levantaram a questão referente à compensação às vítimas das injustiças passadas. "Pedimos desculpas pelas leis e políticas adotadas por sucessivos governos e legislaturas que infligiram profunda dor, sofrimento e perda a esses companheiros australianos", declarou Rudd ao ler o texto da moção. O pedido de desculpas é dirigido especialmente às milhares de crianças aborígines retiradas à força de suas famílias por causa de uma política de assimilação que durou décadas.

"Pela dor e pelo sofrimento das gerações perdidas, seus descendentes e as famílias deixadas para trás, pedimos desculpas", prosseguiu o primeiro-ministro. "Às mães e aos pais, aos irmãos e às irmãs, pela separação de suas famílias e de suas comunidades, nós pedimos desculpas. Pela indignidade e pela degradação causadas a um povo e a uma cultura orgulhosos, nós pedimos desculpas", disse. Os aborígines são a população original da Austrália. Hoje em minoria, compõem a parcela mais pobre e desamparada do país. Os indígenas australianos convivem com os mais altos índices de desemprego e analfabetismo do país e sua expectativa de vida é 17 anos inferior à de um australiano médio.

O pedido de desculpas faz parte dos planos de Rudd de transformar as questões indígenas em prioridade do governo, conforme prometeu durante a campanha eleitoral que o levou ao poder no fim do ano passado. Durante a última década, o governo conservador que antecedeu o de Rudd recusou-se a pedir desculpas. Os aborígines viveram da caça e da agricultura por milhares de anos até a chegada dos colonizadores britânicos a Sydney, em 1788. Atualmente, a população aborígine é de cerca de 450.000 pessoas. A Austrália tem 21 milhões de habitantes.

comentários

A Austrália desculpou-se formalmente hoje pelo sofrimento provocado no passado à população indígena durante uma sessão do Parlamento que deu sensação de alívio à população aborígine do país. O primeiro-ministro Kevin Rudd manifestou o desejo de remover "uma grande mácula" na alma do país com um pedido inequívoco de desculpas à nação aborígine e abrir um novo capítulo na muitas vezes dolorosa história das relações entre diferentes grupos étnicos na Austrália.Líderes aborígines receberam com satisfação o pedido formal de desculpas e o qualificaram como um grande passo adiante, mas levantaram a questão referente à compensação às vítimas das injustiças passadas. "Pedimos desculpas pelas leis e políticas adotadas por sucessivos governos e legislaturas que infligiram profunda dor, sofrimento e perda a esses companheiros australianos", declarou Rudd ao ler o texto da moção. O pedido de desculpas é dirigido especialmente às milhares de crianças aborígines retiradas à força de suas famílias por causa de uma política de assimilação que durou décadas."Pela dor e pelo sofrimento das gerações perdidas, seus descendentes e as famílias deixadas para trás, pedimos desculpas", prosseguiu o primeiro-ministro. "Às mães e aos pais, aos irmãos e às irmãs, pela separação de suas famílias e de suas comunidades, nós pedimos desculpas. Pela indignidade e pela degradação causadas a um povo e a uma cultura orgulhosos, nós pedimos desculpas", disse. Os aborígines são a população original da Austrália. Hoje em minoria, compõem a parcela mais pobre e desamparada do país. Os indígenas australianos convivem com os mais altos índices de desemprego e analfabetismo do país e sua expectativa de vida é 17 anos inferior à de um australiano médio.O pedido de desculpas faz parte dos planos de Rudd de transformar as questões indígenas em prioridade do governo, conforme prometeu durante a campanha eleitoral que o levou ao poder no fim do ano passado. Durante a última década, o governo conservador que antecedeu o de Rudd recusou-se a pedir desculpas. Os aborígines viveram da caça e da agricultura por milhares de anos até a chegada dos colonizadores britânicos a Sydney, em 1788. Atualmente, a população aborígine é de cerca de 450.000 pessoas. A Austrália tem 21 milhões de habitantes.