Câmbio reduz lucro trimestral da Braskem, mas ajuda receita

Publicado em 09/08/2018 por Valor Online

Câmbio reduz lucro trimestral da Braskem, mas ajuda receita

A desvalorização cambial deu contribuição importante para os resultados da Braskem no segundo trimestre. Na receita líquida, mais do que compensou o menor volume de vendas e exportações de químicos e resinas termoplásticas a partir do Brasil e está refletida na alta de 16% na comparação anual, a R$ 13,79 bilhões. Na linha financeira, a variação cambial, também do peso mexicano, aumentou as despesas financeiras líquidas e reduziu o lucro líquido em 49,8%, para R$ 547,2 milhões.

A Braskem teve despesa financeira líquida de R$ 2,14 bilhões, frente a R$ 677 milhões também em despesa líquida um ano antes, refletindo o impacto da desvalorização cambial sobre a parcela da dívida em moeda estrangeira.

Os spreads (diferença de preços em relação à matéria-prima) dos principais químicos e resinas produzidas pela Braskem no país foram menores no segundo trimestre, com comportamento misto na Europa e nos Estados Unidos.

Apesar disso e do impacto de US$ 54 milhões da greve dos caminhoneiros, o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado ficou em R$ 3,18 bilhões, alta de 5% na comparação anual. A geração de caixa livre subiu para R$ 3,321 bilhões no trimestre, mais de três vezes acima do verificado um ano antes.

O lucro líquido ficou cerca de 20% abaixo do esperado por analistas cujas projeções foram compiladas pelo Valor. Na média, Santander, UBS, Safra e Morgan Stanley projetam ganho de R$ 691 milhões. A receita líquida veio dentro do esperado (R$ 13,9 bilhões), e o Ebitda ficou 3,6% acima do projetado.

Segundo a Braskem, a demanda de resinas no mercado brasileiro, considerando-se polietileno, polipropileno e PVC, alcançou 1,3 milhão de toneladas no trimestre, estável em relação ao verificado um ano antes. Frente ao primeiro trimestre, houve queda de 4%, na esteira das restrições geradas pela greve. As vendas domésticas da companhia totalizaram 821 mil toneladas, queda de 2% na comparação anual e de 7% ante o primeiro trimestre. Em relação às exportações, foram embarcadas 320 mil toneladas de resinas, baixa de 13% na comparação anual.

No fim de junho, a dívida líquida estava em R$ 7,389 bilhões, considerando-se a Braskem Idesa, com queda de 3% em três meses. A alavancagem financeira, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda, ficou em 1,9 vez, comparável a 1,98 vez em março.