Cobre recua, após EUA anunciarem novas tarifas contra produtos chineses

Publicado em 11/07/2018 por IstoÉ Dinheiro

Os preços do cobre operam em queda acentuada nesta quarta-feira, em meio a escalada nas tensões comerciais, após os EUA anunciarem ontem que planejam aplicar novas tarifas em produtos importados da China.

O Escritório do Representante Comercial dos Estados Unidos (USTR) divulgou a proposta de tarifar em 10% 6.031 tipos de produtos da China, em mais um sinal de elevação da tensão comercial entre os dois países. As compras desses bens pelos importadores americanos somam US$ 200 bilhões anuais. O prazo final de contestações da proposta de nova barreira pelos empresários termina em 30 de agosto.

Na madrugada, o governo chinês criticou a última ameaça dos norte-americanos de impor novas tarifas sobre a importação de bens do país asiático e disse que as medidas são “totalmente inaceitáveis”.

O ministério do Comércio da China não deu detalhes sobre as ações que serão tomadas. Entretanto, em comunicado, disse que “será forçado a impor contramedidas necessárias para proteger seus próprios interesses”. Na semana passada, diante da aplicação de tarifas sobre US$ 34 bilhões em importações chinesas, Pequim respondeu na mesma moeda.

Como a China é o maior importador de cobre do mundo, medidas contrárias ao país tendem a prejudicar o metal. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em setembro recuava 2,57%, a US$ 2,7665 por libra-peso, às 9h07 (de Brasília). Por volta das 8h50 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 2,9%, a US$ 6.162,50 por tonelada.

“Já vimos tarifas sobre alumínio, aço e em tudo o que os consumidores compram”, disse Kash Kamal, um associado da BMO Capital Markets. “Veremos esses preços inflacionarem o custo para o consumidor, levando à desaceleração da demanda e à queda dos preços das commodities”.

Entre outros metais negociados na LME, o zinco recuava 2%, a US$ 2,574.50 a tonelada, o alumínio perdia 0,7%, a US$ 2,071 a tonelada e o estanho caía 2,1%, a US$ 19.335 a tonelada. Já o níquel tinha baixa de 3,1%, a US$ 13.725 a tonelada e o chumbo recuava 3,4%, a US$ 2.242 a tonelada. Fonte: Dow Jones Newswires.