Commodities Agrícolas

Publicado em 09/08/2018 por Valor Online

Commodities Agrícolas

Oferta abundante A ampla oferta mundial de açúcar estimada para as safras 2017/18 e 2018/19 continua pressionando as cotações do demerara na bolsa de Nova York. Ontem, os contratos da commodity com vencimento em março fecharam a 11,69 centavos de dólar a libra-peso, recuo de 9 pontos. Com uma produção superior a 32 milhões de toneladas de açúcar em 2017/18 e estimada em mais de 35 milhões em 2018/19, a Índia deve ter oferta suficiente para compensar a queda na produção brasileira. As previsões para a produção no Brasil em 2018/19 são de um volume abaixo de 30 milhões de toneladas. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal negociado na capital paulista ficou em R$ 50,10 a saca de 50 quilos ontem, queda de 0,87%.

Pressão especulativa Após três sessões consecutivas de alta, os contratos futuros do café arábica voltaram a registrar queda na bolsa de Nova York ontem. Os papéis com vencimento em dezembro fecharam a US$ 1,11 a libra-peso, baixa de 120 pontos. Segundo analistas, o mercado tem sido direcionado por operações não comerciais diante da resistência dos produtores em vender café pelos preços praticados atualmente em Nova York. Conforme a Organização Internacional do Café (OIC), as exportações mundiais de arábica registraram queda de 0,4% em junho ante igual período do ano passado, e somaram 6,506 milhões de sacas. No acumulado do ano-safra internacional 2017/18, a baixa é de 1,5%. O indicador Cepea/Esalq para o arábica em São Paulo ficou em R$ 420,56 a saca, queda de 0,52%.

Leve alta Os contratos futuros do cacau registraram leve alta ontem na bolsa de Nova York, numa tentativa de recuperação após a recente queda deflagrada pela liquidação de posições compradas dos fundos. Os papéis da amêndoa com vencimento em dezembro fecharam a US$ 2.150 a tonelada, avanço de US$ 10. Além dos fatores técnicos, as perspectivas climáticas para o oeste da África ainda assombram os operadores do mercado diante das previsões de formação do El Niño nos próximos meses. O fenômeno está associado a secas prolongadas na região e levou a um déficit na oferta mundial há dois anos. No mercado interno, o preço médio ao produtor em Ilhéus e Itabuna, na Bahia, caiu 1,98%, para R$ 119 a arroba, segundo a Central Nacional de Produtores de Cacau.

Na esteira do trigo Os contratos futuros do milho voltaram a encontrar sustentação na alta do trigo na bolsa de Chicago ontem. Os papéis do grão com vencimento em dezembro fecharam a US$ 3,85 o bushel, valorização marginal de 0,5 centavo. Segundo Ana Luiza Lodi, da FCStone, as apreensões com a safra europeia de trigo têm influenciado, ainda que indiretamente, o mercado. Os dois grãos podem ser concorrentes no uso para a ração animal, e as lavouras da Europa de ambas as culturas sofrem com o tempo quente e seco deste ano. Em nota, o Zaner Group informou que as cooperativas alemãs estimam queda de 20,3% na produção de milho deste ano, para 36,3 milhões de toneladas. No mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 41,88 a saca de 60 quilos, alta de 1,26%.