Contaminação por plásticos em peixes de água doce na Amazônia

Publicado em 06/12/2018 por Diário da Amazônia

Atenção à ciência
Com tristeza, a equipe de cientistas do pesquisador Marcelo Andrade, da Universidade Federal do Pará, descobriu, pela primeira vez, contaminação por plásticos em peixes de água doce na Amazônia. Segundo estudo publicado na revista Environmental Pollution, em espécies do Rio Xingu.
Esse material, que tanto bem trouxe na condição de matéria-prima para um vasto elenco de produtos úteis, agora está ligado a um dos piores males que assola o planeta: a poluição acelerada e assustadora de terras e águas.
A história do material está ligada à nossa conhecida borracha. Foi com a vulcanização criada por Charles Goodyear, em 1839, adicionando enxofre à borracha bruta, que ela apresentou resistência ao calor e se viabilizou. O desenvolvimento dessa técnica levou ao plástico.  
A biodiversidade da região é tão maravilhosa que apresentou também uma descoberta incrível, capaz de enfrentar os males do plástico: um grupo de pesquisadores norte-americanos da Universidade de Yale descobriu na Amazônia equatoriana um fungo que pode se alimentar exclusivamente desse material.
O cogumelo Pestalotiopsis devora o pior plástico que existe – o poliuretano, muito poluente e difícil de reciclar. Para tudo há solução. A questão é encontrá-la. É preciso garantir recursos à ciência e à pesquisa.