Cuidado com bezerros começa logo nas primeiras horas de vida

Publicado em 30/07/2019 por Embrapa Amazônia Oriental

O nascimento de bezerros significa mudanças no dia a dia da fazenda leiteira. 
Os cuidados já começam nas primeiras horas de vida. O produtor precisa garantir que o animal receba o colostro, primeiro leite secretado pós-parto, considerado "a primeira vacina". Como a placenta não passa a imunidade, os anticorpos necessários são recebidos pelo colostro.
Curar o umbigo é outro manejo logo após o nascimento, já que o local pode ser uma porta de entrada para infecções e os recém-nascidos são mais suscetíveis a doenças.
A sanidade dos bezerros deve ser uma preocupação constante. Uma medida simples, mas que contribui muito para redução de enfermidades, como a diarreia, é a higiene dos utensílios usados para fornecimento de leite e do local onde os animais ficam. Assim, evita-se a transmissão e proliferação de microrganismos. 
A limpeza do comedouro e do bebedouro colabora para barrar a multiplicação de microrganismos que transmitem doenças. Além disso, é importante que os filhotes fiquem em ambiente livre de umidade e sujeira. 
Separar os bezerros também pode ser uma alternativa para impedir a contaminação cruzada entre os filhotes.
De acordo com a pesquisadora Teresa Cristina Alves, da Embrapa Pecuária Sudeste, um manejo adequado garante o bom desenvolvimento dos bezerros. No caso da bovinocultura de leite, traz reflexos na produção de leite durante a fase reprodutiva da novilha. 
Em relação ao manejo nutricional dos bezerros, o indicado é que ele receba 20% de seu peso em leite. Por exemplo, um animal de 30 quilos, necessita de cerca de seis quilos de leite ao dia. Até o desaleitamento, o animal deve ganhar em torno de 700 gramas a 800 gramas ao dia. 
Outro procedimento essencial para manter a saúde dos filhotes é estar em dia com o calendário de vacinação e fazer a vermifugação adequada. 
No Sistema de Produção de Leite, da Embrapa Pecuária Sudeste, localizada em São Carlos (SP), até os primeiros seis meses, a vermifugação é mensal, depois bimestral até os 15 meses e, semestral, após esse período. Mas a periodicidade depende do local e do ambiente da fazenda. Há regiões em que o problema é mais grave. Nesses casos, Teresa alerta que o pecuarista precisa vermifugar os animais com mais frequência. 
Em relação à vacinação, entre três e oito meses de vida, a bezerra terá que tomar a vacina contra a brucelose em dose única, prevista no Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).
A vacina contra febre aftosa, no estado de São Paulo, por exemplo, faz parte do Programa Estadual de Erradicação dessa zoonose. A vacinação ocorre em maio, para animais até 24 meses, e em novembro, para todo o rebanho.
Na profilaxia da raiva, os bezerros são vacinados aos três meses e revacinados após 30 dias. 
De acordo com a veterinária Verônica Schinaider Pereira, da Embrapa Pecuária Sudeste, a aplicação de vacinas não obrigatórias depende da ocorrência de doenças nas localidades, ficando a critério do veterinário.