EPA eleva em 3,3% exigência para 2019 em Padrão de Combustíveis Renováveis

Publicado em 03/12/2018 por IstoÉ

Washington, 3 - A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) publicou na sexta-feira a versão final do chamado Padrão de Combustíveis Renováveis (RFS) para 2019, que trouxe um aumento 3,3% no volume total de combustíveis renováveis que deve ser misturado a combustíveis fósseis no ano que vem.

A proposta da agência é de 19,92 bilhões de galões (75,4 bilhões de litros) de etanol de milho e outros biocombustíveis, o que representa um aumento de 630 milhões de galões (2,4 bilhões de litros) em relação à exigência para este ano, de 19,29 bilhões de galões (73 bilhões de litros). O volume de combustíveis renováveis convencionais como etanol de milho foi mantido em 15 bilhões de galões (56,8 bilhões de litros).

O volume de biodiesel para 2019 também ficou inalterado ante a exigência para 2018, em 2,1 bilhões de galões (7,95 bilhões de litros), mas passará a 2,43 bilhões de galões (9,2 bilhões de litros) em 2020.

Houve aumento no volume para biocombustíveis avançados, como biocombustíveis celulósicos e etanol de cana-de-açúcar, que passou de 4,29 bilhões (16,24 bilhões de litros) para 4,92 bilhões de galões (18,6 bilhões de litros). Dentro dos avançados, o volume exigido de biocombustíveis celulósicos passou de 288 milhões (1,09 bilhão de litros) para 418 milhões de galões (1,58 bilhão de litros).

O RFS foi criado em 2005 com o objetivo de diminuir as emissões de carbono e reduzir a dependência norte-americana do petróleo estrangeiro, num momento em que os preços do combustível fóssil começavam a subir.

No entanto, a exigência não tem funcionado como se pretendia, e os níveis de produção de combustíveis renováveis, principalmente etanol, costumam ficar abaixo dos volumes estabelecidos por lei. Pequenas refinarias de petróleo vêm recorrendo diretamente à EPA para serem desobrigadas da exigência.

A Associação de Combustíveis Renováveis (RFA, na sigla em inglês), que representa o setor de etanol nos EUA, pediu que o administrador interino da EPA, Andrew Wheeler, faça cumprir a exigência para biocombustíveis convencionais em 2019, sem conceder isenções a pequenas refinarias.

Nos EUA, o etanol é feito principalmente com milho e a indústria consome cerca de um terço da safra doméstica do cereal.