Exportações do agronegócio reduzem a queda do PIB brasileiro

Publicado em 12/08/2020 por O Imparcial

Exportações do setor para a China compensam diminuição de negócios com Estados Unidos e Europa e amortecem o impacto da pandemia na economia brasileira. 
Governo promete criar mecanismos financeiros para dar maior previsibilidade aos produtores
O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que as exportações do agronegócio para a China vão ajudar a amenizar o tombo do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano. Ele acredita que as exportações agrícolas só tendem a crescer. Por isso, a equipe econômica está trabalhando em projetos que tentam dar mais previsibilidade ao setor, como o fortalecimento dos mercados de seguros e de opções.
Guedes participou do Fórum de Incentivo à Cadeia Leiteira, promovido pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Ele disse que o setor praticamente não sentiu o choque externo da crise causada pela pandemia do novo coronavírus por conta das exportações para a China, que praticamente compensaram a redução dos negócios com a Europa, os Estados Unidos e a Argentina, no primeiro semestre.
“Estamos redirecionando as exportações, de forma que, no primeiro semestre, ficamos praticamente no mesmo patamar do ano passado”, afirmou Guedes. Ele disse que, por conta disso, o choque externo do setor, que poderia reduzir em cerca de 3% o PIB do Brasil neste ano acabou não sendo sentido.
A expectativa do ministro é que as exportações do agronegócio, que têm se mostrado competitivo globalmente, cresçam ainda mais com o passar do tempo. Os produtores de leite, representados pela deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR), compartilharam do otimismo do ministro. Porém, pediram apoio do governo a projetos que possam reduzir os custos e dar mais previsibilidade ao setor.
Garantias
Para Guedes, é preciso trabalhar para reduzir os custos da energia e da logística e indicou ser possível facilitar a importação de máquinas e equipamentos para o setor. O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse que o governo vem trabalhando em três frentes para aumentar a previsibilidade dos negócios no campo: o fortalecimento do mercado de seguros; a oferta de instrumentos de mercado para a negociação de contratos futuros de preços; e a criação de um banco de dados sobre custos regionais de produção.
A ideia é oferecer mais opções de seguros de renda e de seguros sanitários para o setor e também facilidades no mercado de opções. “Estamos trabalhando para que, em um horizonte próximo, o produtor possa ir a qualquer banco para comprar uma opção e garantir o preço futuro”, adiantou Sachsida.
Já o banco de dados dos custos regionais de produção visa dar parâmetros sobre o preço dos insumos necessários à produção agropecuária nas diferentes regiões brasileiras e será construído com base em notas fiscais eletrônicas. “Não temos como controlar os preços, então queremos parametrizar. Vamos ter os dados regionalizados, e isso vai facilitar a negociação, porque os produtores vão saber o custo da sua produção”, explicou o subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri.
“Estamos nos levantando da queda, mas de forma alguma isso é uma retomada ou crescimento sustentável. Em comparação ao ano passado, todos os indicadores estão em queda”, Simone Pasianotto, da Reag Investimentos