ICMS do arroz

Publicado em 15/05/2018 por Jornal do Comércio - RS

Em relação à matéria Setor arrozeiro propõe corte temporário de ICMS no Rio Grande do Sul ( Jornal do Comércio, 11/05/2018), é necessário e urgente um incentivo fiscal para a Metade Sul. Os custos em logística entre Uruguaiana e Santo Antônio da Patrulha são muito diferentes, é evidente isso. Temos que considerar, ao menos se possível, dentro do projeto Ibicuí-Jacuí, com urgência a ligação e viabilidade da ligação Vacacaí-Jacuí, com isso teríamos São Gabriel-Porto Alegre-Rio Grande por via fluvial. Sem pensar grande ficaremos eternamente nos incentivos fiscais, com os governos com sede de recursos como nunca. (Francisco Berta Canibal, Arroio dos Ratos/RS)
BR-116 Sul
Governo libera R$ 29,5 milhões para duplicação de trecho da BR-116 ( Jornal do Comércio, 10/05/2018). É um absurdo a falta de andamento dessa obra, fundamental para destravar o escoamento da produção industrial e agrícola até o porto do Rio Grande. Para o Rio Grande do Sul, estado exportador, o silêncio do governo do Estado em se posicionar em apoio aos movimentos para destravar essa obra é inverso ao clamor das comunidades que sofrem diariamente com o número de vítimas que este trecho tem causado à população gaúcha. (Rafael Lopes, Cachoeirinha/RS)
Reforma trabalhista
Assisti a duas palestras interessantes. A primeira, do ministro aposentado do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Gelson de Azevedo, abordou aspectos - positivos e negativos - da Lei nº 13.467/2011, também denominada de Lei da Reforma Trabalhista. Destacou a importância de a nova lei ter regulamentado relações laborais que careciam de disciplina legal. Nos aspectos negativos, destacou uma série de inconsistências que vão de contradições e ferimento de princípios básicos do Direito do Trabalho, à inconstitucionalidades. A segunda, do ex-ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB), gaúcho e deputado federal, que afirmou que é dele a implantação da Justiça Especializada, isto é, as empresas não se misturam, se é de engenharia não pode ter outro ramo de negócio como propaganda. Disse que engenharia/construção civil e propaganda não se coadunam. Enfatizou que a transformação da Justiça do Trabalho está proporcionando milhares de novos empregos e está convicto que esta é melhor que a reforma da Previdência, prevista para uma nova geração, e a organização do trabalho é fundamento da harmonia social. (João Firme, publicitário e jornalista)
Corrupção diária
Acordamos e, todos os dias, queremos saber qual a ação da operosa Polícia Federal (PF), no combate à corrupção no Brasil. São tantas que está difícil acompanhar todos os casos. Ainda bem que a PF tem agido e, garanto, com o apoio geral da população que trabalha e quer ver os impostos bem empregados. (Ana Cláudia de Barcellos, Porto Alegre)