O investimento no agro-negócio em África

Publicado em 05/03/2019 por Jornal de Angola

Muitos países africanos, com a eclosão da crise económica e financeira que afectou negativamente muitos negócios no nosso continente, estão agora empenhados em diversificar as suas economias, para não dependerem exclusivamente dos recursos naturais que exportam e cujos preços são voláteis.
Governantes de vários países africanos compreenderam que a opção pela diversificação da produção era a via mais correcta para enfrentar eventuais crises causadas pelas quedas consideráveis dos preços dos produtos que os seus Estados mais exportam.
A diversificação da economia tornou-se num processo (a diversificação da produção leva muito tempo, dizem os especialistas) que pode vir a resultar num escudo forte para que, em caso de crise, os países que decidiram investir em diversas áreas produtivas possam fazer face mais facilmente às adversidades.
Há países africanos que estão a incentivar o regresso de muitos jovens ao campo, para que se possa potenciar um sector que pode dar emprego a muitos milhares de pessoas, com benefícios para as famílias.
Fala-se hoje muito do agro-negócio em África. Há uma grande esperança de que o agro-negócio venha a contribuir para a resolução do problema da pobreza em África. A União Africana tem uma comissária para a área do desenvolvimento rural, o que não é um mero acaso, se se considerar o facto de que muitos milhões de africanos se dedicam à actividade agrícola. 
Mas para que se potencie o agro-negócio, serão necessários investimentos, não só públicos, como privados. Há no mundo muitos africanos que obtiveram fora do nosso continente habilidades e competências para trabalhar no agro-negócio e podiam ajudar o continente a desenvolver um sector que pode mudar a vida de muita gente em África. 
Será também necessário criar em África um bom ambiente de negócios para que os filhos do continente se sintam incentivados a investir nos seus países, dando-lhes a possibilidade de ganharem muito dinheiro, o que pode fazer com que se multipliquem os projectos produtivos. 
É preciso que o desenvolvimento do agro-negócio seja acompanhado por um processo de construção no continente de uma indústria transformadora robusta. Há mercadorias que podemos produzir no nosso continente com as matérias -primas do campo. Que as oportunidades que a África oferece ao nível do agro -negócio sejam também aproveitadas por investidores privados africanos. Os empreendedores africanos devem levar a cabo actividades empresariais no continente que os viu nascer.