Mulheres produzem alguns dos melhores vinhos do Chile

Publicado em 08/08/2018 por Folha de S. Paulo Online

Santiago

?Minha viagem era para provar vinhos, mas uma constante foi aparecendo enquanto eu avançava pelas estradas do país: excelentes vinhos, atrevimentos, líquidos fora do lugar comum, feitos por mulheres. Algumas das melhores garrafas que provei eram criação de jovens enólogas cheias de entusiasmo.

Uma curiosidade do Chile, onde há produtores gigantescos, é permitir que jovens se atrevam a experiências nas grandes companhias, em vez de serem, por décadas, apenas o sub do sub do enólogo até poderem fazer um vinho. Nem todos são enólogos chefes, mas opinam e têm bastante liberdade criativa.

É assim na vinícola Santa Rita, com Teresita Ovalle. Ela me mostrou, ainda sem rótulos, os "field blends" —feitos a partir de castas de uva misturadas. Nesse caso, elas são colhidas e fermentadas juntas, sem que se procure saber muito o que são.

Anotei o nome divertido que ela deu a essa aventura, "field blends atômicos".

O vinho branco é uma mistura de moscatel, semillon, corinto, sauvignon blanc e outros elementos. As uvas são fermentadas com a casca, que dá corpo e alguns taninos, em barricas abertas e com as leveduras do meio ambiente (nem vou tentar explicar tudo isso, mas é só doideira).

O Floresta tinto, por sua vez, uma mistura de uva do país com carmenère, é floral, delicado, fora da curva.

Foram os dois vinhos que escolhi para o jantar, no meio de clássicos. E que jantar.

O antigo casarão da vinícola, cercado por jardins, é monumental e luxuoso, e um tapete gobelin enfeita a sala de jantar. Há três fantasmas conhecidos no lugar, mas nenhum apareceu para mim, infelizmente.

O que me deu um susto foi o encontro com Andrea Léon, enóloga da Lapostolle, com um de seus vinhos da série Collection, um sémillon com torondel em que se forma uma flor —ou seja, tem oxidativos de Jerez. De um frescor maravilhoso, talvez tenha sido o mais atrevido vinho que provei na viagem toda. Foi bebido com ostras, e espero ansiosamente que seja engarrafado e chegue ao mercado.

Ela me apresentou um syrah igualmente de grande estirpe, mantendo o estilo franco-chileno da empresa, um pouco da personalidade do Rhône no vale de Colchagua.

Essa degustação foi em outro cenário, na praia de surfistas de Punta Lobos, com estranhas areias negras vulcânicas, um balde cheio de gelo, garrafas e um barco com ostras e outros frutos do mar. Da formalidade do jantar à francesa para uma beach party. 

Na Viña Veramonte foi Sofia Araya quem me mostrou seus vinhos. Destaquei o chardonnay Ritual. Longe daqueles chardonnays carregados de madeira, delicado, foi um dos melhores dessa uva que provei na viagem. Um estilo mais para o frescor e a vontade de beber, sem o pesadão do uso excessivo de carvalho.

Na Undurraga, Pilar Diaz apresentou os T.H. (linha terroir hunter) em que trabalha como co-enóloga. Lá, o Carignan de Maule me cativou; com aromas florais, é muito fino, uma rara mistura de potência com elegância.

Já Viviana Navarrette, da Viña Leyda, é responsável por alguns dos melhores pinots noirs que provei, lindos sauvignons blancs e (mais um) syrah estupendo.

Aí a cena era no campo. Visitei dezenas de calicatas na viagem. Calicatas são recortes fundos no terreno, algumas têm mais de três metros de profundidade, onde os produtores descobrem o perfil geológico de suas terras. Ali, você vê as raízes entrando na argila, no calcário, na areia, o que for o perfil do terreno. Isso permite, cada vez mais, saber o que e onde plantar.

E, finalmente, fiz uma degustação maravilhosa na Concha y Toro, em que se prova cada uma das sete parcelas de cabernet sauvignon e uma de cabernet franc que irão compor o blend final do Don Melchor 2017.

A co-enóloga Isabel Mitarakis, assistente direta de Enrique Tirado, mostrou como nasce o ícone: você prova cada vinho separadamente, e tenta modificar as quantidades de cada um (um é mais doce, outro mais duro na boca, um terceiro mais delicado e por aí vai). Não adianta, seu Don Melchor nunca será o que eles decidiram, depois de uma centena de misturas.

A chamada "experiência Don Melchor", essa aula inesquecível, vai ser aberta ao público no futuro. É outro ambiente faustoso, um casarão senhorial, com muita pompa. Os brasileiros predominam: 80% do público turista é daqui, pois além da marca ser muito conhecida por nós, a vinícola fica praticamente dentro de Santiago.

Para degustar o Chile

Marques de Casa Concha Chardonnay
R$ 99 no Ville du Vin
(villeduvin.com.br)

Santa Rita Carmenére Medalla Real
R$ 59,94 no Pão de Açúcar

Leyda Pinot Noir Reserva
R$ 74,90 na Grand Cru
(grandcru.com.br)

Lapostolle Red Blend
R$ 133,98 na Mistral
(mistral.com.br)

Undurraga Aliwen Pinot Noir
R$ 62,90 na Bacco’s
(baccos.com.br)

Ritual Pinot Noir Veramonte
R$ 119 na wine.com