Noruega aumenta repasse ao Fundo Amazônia e doa US$ 70 milhões

Publicado em 05/12/2018 por Valor Econômico

SÃO PAULO  -  O governo da Noruega anunciou, nesta terça-feira (4), a doação de US$ 70 milhões para o Fundo Amazônia, informou o Ministério do Meio Ambiente (MMA) brasileiro em nota. Desde 2008, o fundo apoia projetos que reduzem o desmatamento e incentivam o uso sustentável dos recursos naturais da região amazônica. 
Em 2017, o governo da Noruega já havia doado US$ 41,8 milhões. O aumento do valor, segundo o MMA, deve-se ao "reconhecimento da redução de 12% no desmatamento na taxa de 2017 (agosto de 2016 a julho de 2017), em relação ao ano anterior. Essa variação faz parte da regra do fundo. Desde o início do apoio da Noruega, o Brasil evitou a emissão de mais de 4,5 bilhões de toneladas de CO2 por meio da redução do desmatamento, segundo a pasta.
O governo norueguês, no entanto, em seu comunicado a respeito da doação, alerta que "enquanto o Brasil pode demonstrar redução do desmatamento em 2017, os números preliminares indicam que a extração de madeira aumentou no ano de 2018".
O governo norueguês cita estimativa publicada recentemente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), informando que o Brasil apresentou desmatamento de 7.900 quilômetros quadrados em 2018. "Isso corresponde a um aumento de 13,7% no desmatamento entre 2017 e 2018. Os números ainda são preliminares, mas o possível aumento dá motivos para preocupação tanto no Brasil quanto na Noruega", alerta o país nórdico.
"Estamos ansiosos para conversar com o novo governo sobre os planos futuros do Brasil e nossa cooperação bilateral. Esperamos e acreditamos que o Brasil continuará a mostrar ao mundo que é possível reduzir o desmatamento e, ao mesmo tempo, aumentar a produção agrícola de maneira sustentável. É muito positivo que as empresas brasileiras, e especialmente o agronegócio, estejam contribuindo cada vez mais para os esforços contra o desmatamento na Amazônia.
A contribuição anual norueguesa para o Fundo Amazônia é calculada com base nos resultados que o Brasil alcançou no ano anterior, tendo como nível de referência uma média histórica de dez anos, ajustada a cada cinco anos. O governo brasileiro concebeu e implementou essa abordagem metodológica ao estabelecer o Fundo Amazônia, em 2008.