Operação cumpre 10 prisões por fraudes ambientais

Publicado em 03/12/2018 por A Gazeta - MT

A Polícia Judiciária Civil (PJC) deflagrou na manhã desta segunda-feira (3), a 3ª fase da operação Polygonum para o cumprimento de 28 ordens judiciais, sendo 10 mandados de prisão, 15 de busca e apreensão e 3 sequestro de bens.

 

Leia também - Trio é preso transportando 25 kg de cocaína na BR-174

 

As buscas estão inseridas na investigação de fraudes ambientais conduzida pela Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Promotoria de Justiça do Meio o Ambiente e o Núcleo de Ações Competência Originária (NACO) do Ministério Público Estadual. A investigação corre em sigilo de Justiça.

 

A operação é originária de investigação da Delegacia do Meio Ambiente em conjunto com o Ministério Público, decorrente de esquema detectado no sistema de regularização e monitoramento de propriedades rurais e instrumentalizados no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

 

As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso para o cumprimento em 6 escritórios de engenharia florestal e de administração de fazendas e 9 residências, nas cidades de Cuiabá, Várzea Grande, Barão de Melgaço, Nossa Senhora do Livramento Sinop e Colíder.

 

São cumpridos também três ordens de sequestro de bens (veículos), que teriam sido objeto de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

 

Participam da operação 12 delegados, 40 investigadores, 8 escrivães, 3 promotores de justiça. Peritos da Politec e a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) também atuam em apoio a operação.

 

O nome da operação, Polygonum, faz referências a medidas geométricas de áreas, referenciadas em dados de propriedades, terrenos e cálculos de desmatamento.

 

(Com informações da assessoria de imprensa)