Petrobras dá suporte, mas bolsa começa a semana no zero a zero

Publicado em 15/05/2018 por Valor Online

Petrobras dá suporte, mas bolsa começa a semana no zero a zero

A Petrobras continua fornecendo ao Ibovespa o suporte necessário para o índice seguir em alta, mas a pressão por um ajuste mais forte levou o índice a se acomodar ontem abaixo dos 86 mil pontos, com o enfraquecimento no ritmo das bolsas no exterior.

O Ibovespa fechou praticamente estável, com alta de 0,01%, aos 85.232 pontos, depois de oscilar à mínima de 84.688 pontos (-0,62%) e à máxima de 86.105 pontos (+1,04%). O giro foi de R$ 10,3 bilhões.

De um lado, a valorização das ações da Vale (3,12%) e dos papéis ordinários (4,15%) e preferenciais (3,14%) da Petrobras colaborou. O dia forte para as "blue chips" foi uma resposta à alta dos preços das commodities no exterior. Além disso, no caso da Petrobras, os investidores seguem apostando no ganho potencial com a possível resolução, ainda nesta semana, do imbróglio sobre a cessão onerosa.

Na outra ponta, porém, a bolsa encontra espaço para uma acomodação abaixo dos 86 mil pontos porque investidores do "day trade" acabaram impulsionando uma correção - são operações em que os lucros são obtidos durante um mesmo pregão.

No exterior, as bolsas de Nova York também devolveram a maior parte dos ganhos iniciais, mas conseguiram sustentar leve alta com o sinal de alívio das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. O Dow Jones subiu 0,27%, aos 24.899,41 pontos, o S&P 500 avançou 0,09%, aos 2.730,13 pontos, e o Nasdaq registrou ganho de 0,11%, aos 7.411,31 pontos. O setor de energia voltou a liderar ganhos em Wall Street com o recente rali do petróleo: o barril do Brent retomou ontem a máxima desde novembro de 2014 em meio à onda de violência no Oriente Médio, que alimentou receios sobre a redução da oferta da commodity.

Entre os destaques, a EDP Energias do Brasil foi a maior queda (10,90%), após subir mais de 15% na sexta-feira. A Estácio (baixa de 7,45%) também contou com forte saída do investidor, que busca evitar o setor de educação, uma dinâmica que vem acontecendo desde a semana passada, depois que a Kroton frustrou ao divulgar projeções mais fracas para 2018.

A Qualicorp também ficou entre as maiores quedas (6,32%), antecipando a saída da carteira do índice MSCI Brazil. Um dos principais fornecedores globais de análises e índices, o MSCI anunciou o rebalanceamento de suas carteiras, e o índice do Brasil passará a contar com as ações do IRB Brasil Resseguros, do Magazine Luiza e da BR Distribuidora. Além da Qualicorp, saem da carteira as units da Taesa.