Rebeldes do Uganda matam 14 agricultores no leste da RDCongo

Publicado em 09/08/2018 por Diário de Notícias - Portugal - Lisboa

Alegados rebeldes da Frente Democrática Aliada, do Uganda, mataram 14 agricultores na província de Kivu do Norte, no leste da República Democrática do Congo (RDCongo), disseram hoje associações civis locais à agência de notícias espanhola Efe.

Omar Kavobta, coordenador da organização não-governamental (ONG) Cepadho, referiu à Efe que as vítimas mortais são quatro mulheres e dez homens, cujos corpos foram encontrados hoje a leste da cidade de Beni.
Os 14 mortos eram habitantes de duas cidades próximas, Gbadolite e Munzambayi, e foram sequestrados quando se dedicavam "pacificamente" a trabalhar nas plantações de extração de óleo de palma.
A ONG alertou para a fragilidade da situação na cidade de Beni, dada a insegurança criada pelos rebeldes.
Apesar da presença das forças de segurança locais e do apoio dos capacetes azuis da missão das Nações Unidas no país (Monusco- Missão das Nações Unidas de Estabilização na RDCongo), os civis continuam a ser vítimas de violência.
O nordeste da RDCongo tem sido palco de um longo conflito sustentado por dezenas de grupos rebeldes há anos, apesar da presença do exército congolês democrático e das forças das Nações Unidas.
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estima que atualmente há cinco milhões de congoleses democráticos deslocados, 675.000 em nações vizinhas e 4,3 milhões no interior do país.
De acordo com a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch, citada pela agência Efe, mais de 500 civis foram mortos, em Kivu, entre junho e novembro do ano passado, além de outras mil pessoas raptadas.
A região, localizada numa área montanhosa de acesso complicado, permite que os rebeldes se escondam facilmente e escapem das operações militares no solo.