RELAÇÕES EXTERIORES: Futuro ministro vai criar Departamento do Agronegócio no Itamaraty

Publicado em 28/12/2018 por Valor Econômico

O futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, anunciou na sexta-feira passada (21/12), via Twitter, a criação de um Departamento do Agronegócio no Itamaraty. Em uma sequência de 12 mensagens, ele afirmou que o departamento atuará junto com o Ministério da Agricultura "na conquista de mercados internacionais". "Daremos ao agro a atenção que no MRE ele nunca teve", afirmou.
Negociações - Segundo o futuro ministro, o departamento orientará algumas negociações comerciais em favor dos produtores brasileiros. "Orientaremos as embaixadas a promoverem os produtos agrícolas brasileiros ativa e sistematicamente. A Apex será direcionada no mesmo sentido."
Acordo relevante - "Nestes longos anos sem ideais e sem identidade, não fechamos nenhum acordo comercial relevante. Isso mostra que não é pela autonegação ou pela adesão automática aos cânones do globalismo que o Brasil conquistará mercados, mas pela autoconfiança e pelo trabalho", completou.
Esperança e liberdade - Segundo o novo chanceler, a nova política externa não fará o Brasil deixar de exportar frango, soja, carne e açúcar, "mas passará a exportar também esperança e liberdade". "O fato de ser uma potência agrícola não nos proíbe de ter ideais e de lutar por eles."
Valores - De acordo com ele, o setor produtivo agrícola identifica-se profundamente com os valores da nação e os defende, tanto que apoiou e apoia maciçamente Bolsonaro. "Mas o establishment da velha política e da velha mídia quer usar o agro como pretexto para reduzir o Brasil a um país insignificante", escreveu.
Essência - Araújo disse ainda que não conseguirão "jogar a agricultura contra os ideais do povo brasileiro". "O trabalho incansável, a fé, a inventividade, o patriotismo dos agricultores são a própria essência da brasilidade."
Desmistificação - O futuro chanceler afirmou ainda que vai trabalhar para desmistificar o conceito de que o produtor agrícola não cuida do meio ambiente. "Defenderemos o produtor brasileiro, nos foros internacionais, da pecha completamente falsa de ser agressor do meio ambiente. Nos governos petistas, o Itamaraty foi a casa do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). Agora estará à disposição do produtor", disse.
Pujança - "A pujança agrícola será parte do projeto de engrandecimento do Brasil. Ao mesmo tempo, a projeção de um Brasil confiante, grande e forte servirá ainda mais aos interesses da agricultura", declarou.
Menos subsecretarias - De saída do prédio do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Brasília, onde vem se reunindo a equipe de transição do novo governo, Araújo ainda disse a jornalistas que a nova estrutura do Itamaraty deverá contar com menos subsecretarias, que hoje são nove. Ele não deu detalhes sobre a mudança.