Reposição de terneiros impacta nos ganhos da pecuária

Publicado em 04/09/2020 por Jornal do Comércio RS

pecuária

Preço de animas jovens também subiu e reduz lucros dos criadores que destinam gado para abate

Preço de animas jovens também subiu e reduz lucros dos criadores que destinam gado para abate


ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
Em um ano marcado por recordes agrícolas, o setor de carne bovina segue com grandes perspectivas. Segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), a valorização da arroba, contudo, não indica que o pecuarista está com margem maior.
Isso porque os animais de reposição (bezerro e boi magro) estão sendo negociados igualmente em patamares recordes reais das respectivas séries do Cepea. Além da reposição – que representa mais da metade dos custos de produção de pecuaristas recriadores –, a forte valorização do dólar neste ano elevou os preços de importantes insumos pecuários que são importados.
O Cepea destaca ainda que que insumos de alimentação, como milho e farelo de soja, estão bastante valorizados. No caso da indústria, enquanto as exportações aquecidas e o dólar elevado ajudam na receita, os frigoríficos que trabalham apenas no mercado doméstico se deparam com matéria-prima em patamar recorde e demanda por carne bovina um pouco enfraquecida.
A carcaça casada do boi é negociada em patamares superiores aos verificados em anos recentes, ao passo que a população começa a perder o poder de compra, diante da crise econômica gerada pela pandemia de Covid-19.