Retirada da vacina de febre aftosa pode complicar a pecuária brasileira

Publicado em 13/03/2019 por Blog do Daoud

Meus amigos, o ano de 2019 será muito importante para o futuro da pecuária brasileira, pois nos próximos meses o nosso governo pretende vacinar pela última vez uma parte do nosso rebanho contra a febre aftosa. A ação faz parte de um plano estratégico para a eliminação por completo da vacinação e os primeiros estados que vão aderir são Rondônia, Paraná e Acre. Além disso, alguns municípios fronteiriços com esses estados serão imunizados pela última vez também no Amazonas e Mato Grosso.
A estratégia em um primeiro momento parece ser boa, já que tem como objetivo é mostrar ao mundo que o boi brasileiro está livre de qualquer possibilidade de febre aftosa. Mas eu pergunto: será que já estamos preparados para esse passo tão ousado, tendo em conta o tamanho da nossa fronteira com países como Bolívia e Paraguai, por exemplo?
Ao meu ver, essa decisão do Ministério da Agricultura de iniciar o fim da vacinação já para o próximo ano pode colocar em risco a pecuária brasileira, começando mesmo pelo o estado de Rondônia e Mato Grosso, que possuem ligação direta com a Bolívia, um país nada confiável e que pode apresentar um novo foco a qualquer momento.
Esse projeto mostra que o Ministério da Agricultura não tem conhecimento amplo da nossa vizinhança a respeito de doenças. O meu temor, meus amigos, é que o tiro acabe saindo pela culatra. Se este plano não for muito bem executado, existe a chance do Brasil ficar sob dúvida do comércio internacional e algumas barreiras serem impostas.
Acredito que esse plano deva ser revisto e assegurado para que um mercado tão importante como o de carne não seja afetado simplesmente por uma afobação de um ministério que não soube trabalhar com as variáveis que o caso apresenta.