Rumo: prejuízo líquido atinge R$ 34,5 milhões no 2º trimestre

Publicado em 08/08/2018 por IstoÉ Dinheiro

A Rumo registrou um prejuízo líquido de R$ 34,5 milhões entre abril e junho deste ano, 14,5% acima dos R$ 30,2 milhões negativos verificados em igual período de 2017.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia atingiu R$ 843,7 milhões no segundo trimestre, correspondendo a uma alta de 15,1% frente aos R$ 732,7 milhões registrados um ano antes. A margem Ebitda ficou em 50,7% no período, subindo 2,1 pontos percentuais em comparação com o reportado no segundo trimestre de 2017, refletindo a redução no consumo de combustível e a diluição dos custos fixos.

“Num trimestre no qual todo o País sofreu as consequências da greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio, conseguimos apresentar resultados que demonstram a força e a confiabilidade tanto da Rumo quanto do modal ferroviário. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, tivemos um Ebitda 15% maior e um volume transportado 9% superior. Com isso, a Rumo reafirma sua confiança no guidance divulgado para 2018?, disse o presidente da Rumo, Julio Fontana Neto, em comentário enviado ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Com o crescimento do volume total transportado, a receita líquida da companhia mostrou aumento de 10,5% na comparação com o auferido entre abril e junho de 2017, atingindo R$ 1,664 bilhão.

Pesou negativamente sobre os resultados trimestrais da Rumo a despesa financeira líquida, que alcançou R$ 459,6 milhões, 6,2% acima da registrada em igual período de 2017. Conforme a companhia, a linha apresentou “relevantes efeitos não recorrentes” nesse trimestre. Um deles, sem efeito caixa, foi a marcação a mercado dos derivativos que protegem as Senior Notes em função da variação da curva de juros, com impacto de R$ 80 milhões sobre o resultado. Outros efeitos decorrem do pré-pagamento da debênture de reperfilamento (taxa no valor de R$ 16 milhões, com efeito caixa, e o reconhecimento antecipado de R$ 22 milhões em despesas referentes à debênture).

Cenário e guidance para 2018

No relatório divulgado há pouco, a Rumo afirma ainda que as perspectivas para a companhia neste ano tendem a seguir positivas. A empresa cita que a consultoria Agroconsult atualizou suas projeções para a safra de soja 2017/2018 no Brasil e no Mato Grosso, “tornando essa uma safra recorde”, enquanto para o milho é esperada redução de 17% na produção brasileira e de 10% na produção matogrossense.

“O cenário favorável para comercialização da soja estendeu seu período de exportação, o que, somado aos estoques de passagem de milho, contribuem para compensar a menor produção do grão já esperada para o segundo semestre. Adicionalmente, ao longo do segundo semestre os preços de frete rodoviário praticados devem se manter elevados, o que já é observado nos dados do Imea (Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária), favorecendo ainda mais a competitividade da Rumo”, escreve a empresa.

Em relação ao guidance para este ano, as projeções foram mantidas em um Ebitda entre R$ 3,05 bilhões e R$ 3,25 bilhões e um Capex total na faixa de R$ 1,9 bilhão a R$ 2,1 bilhões (R$ 800 milhões a R$ 900 milhões de Capex recorrente e R$ 1,1 bilhão a R$ 1,2 bilhão em Capex expansão).