Soja e milho respondem por 92,4% da produção de grãos

Publicado em 11/04/2018 por O Estado do Maranhão


Do total de 5,4 milhões de toneladas de grãos que o Maranhão colherá na atual safra 2017/2018, conforme prevê o sétimo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado ontem, somente as culturas de soja e milho responderão por 92,4% desse volume, com 5,031 milhões de toneladas. O restante da produção fica dividido entre arroz, algodão e feijão.
Se confirmada a estimativa de se colher 5,4 milhões de toneladas de grãos, o aumento será 13,6% em relação à safra anterior, quando o estado produziu 4,7 milhões de toneladas. O desempenho positivo é resultado da área plantada que expandiu 9,1%, alcançando 1,7 milhão de hectares (ha) e da produtividade média da lavoura, projetada em 3.186 kg/ha.
Em relação à soja, o produtor só tem a comemorar, pois o crescimento é de 19,4% com colheita esperada de 2,953 milhões de toneladas. A área plantada da cultura saltou de 821,7 mil ha para 942,5 mil ha (14,7% de incremento), segundo os números da Conab, além do que a produtividade estimada corresponde a 3.134 kg/ha, aumento de 4,1%.
Ainda assim, o excesso de chuvas na região sul do estado tem mantido os produtores em alerta, em razão da impossibilidade na finalização da colheita da soja. Durante março, foram evidenciados diversos dias em que não foi possível realizar a colheita, contudo, sem representar perdas.
Quanto ao milho, segunda principal cultura do estado, a produção estimada é de 2,078 milhões de toneladas, o que equivale a um aumento de 6,5% em comparação à safra anterior, quando se colheu 1,951 milhão de toneladas. Embora tenha havido uma leve queda na área plantada, a produtividade de 4.260 kg/ha compensou, com crescimento de 7,3%.
Na primeira safra de milho, conforme observaram os técnicos da Conab, houve forte incremento de área atingindo 315,6 mil hectares, 7,8% em relação ao período anterior. Esse aumento foi provocado pela migração do plantio da agricultura familiar, para a agricultura mecanizada. Particularmente na Região Tocantina, em locais de grande exploração da pecuária, foram bem significativos os aumentos na área do cereal, para uso em silagem ou dos grãos, para suplementação energética de bovinos nos períodos de seca.

Arroz
O arroz, terceiro maior volume em importância, da safra de grãos maranhense, deve alcançar nesta safra 295,1 mil toneladas, ou seja, aumento de 15,3% em relação as 225,9 mil toneladas colhidas na safra anterior. A área plantada chegou a 164 mil hectares e a produtividade a 1.799 kg/ha.
No Maranhão, tem-se observado um maior interesse pelo cultivo do arroz de terras altas na região Tocantina. A valorização do preço pago pelo produto, especificamente na agricultura familiar e, principalmente, em razão das condições climáticas favoráveis e o bom regime de chuvas, têm impulsionado os pequenos produtores a buscarem formas alternativas de custeio das lavouras, especialmente sementes dos órgãos governamentais, perante aos comércios locais ou mesmo se utilizar de banco próprio de sementes.
A área plantada com arroz irrigado é cultivada na Região dos Campos Naturais do Maranhão ou "Baixada Maranhense", mais pre­cisamente nos municípios de Arari, Vitoria do Mearim e São Mateus do Maranhão.
O feijão e o algodão em caroço também projetam aumento na produção, de acordo com o levantamento da Conab. No caso do feijão, deve-se colher 57,5 mil toneladas, o que representa aumento de 1,4% em comparação à safra passada. E já o algodão, a previsão é de se colher 92,8 mil toneladas em uma área plantada de 22,3 mil hectares.

Mais

Produção nacional

A produção brasileira de grãos está estimada atualmente em 229,53 milhões de toneladas, para a safra 2017/18, redução de 3,4% em relação à safra anterior e 1,5% superior ao levantamento anterior, resultado, principalmente, do ganho de produtividade. A área plantada está prevista em 61,38 milhões de hectares, ou seja, crescimento de 0,8% se comparada à safra 2016/17.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.