Sustentabilidade: O Maior e Melhor Ativo do Agronegócio

Publicado em 04/07/2019 por RVTV

Quando o assunto é sustentabilidade, são três as dimensões fundamentais que devem ser contempladas: o economicamente viável; o socialmente justo; e o ambientalmente correto. Essas características são conhecidas como “Triple Botton Line”.
Nenhuma atividade é viável no longo prazo se esses três fundamentos não forem observados simultaneamente.
Na vertente econômica, podemos afirmar que o agronegócio é o setor mais importante e relevante da economia nacional e mundial. No caso brasileiro representa aproximadamente 23% do PIB, quase a metade das exportações e cerca de um terço dos empregos. Nos negócios globais participa com nada menos que US $ 20 tri.
No aspecto social, por seu vigor econômico, suas características, multi e interdisciplinar, garante alto índice de empregabilidade e utilização de vasta quantidade de mão-de-obra. Isso explica, em parte, o fato de ser um dos setores que menos demitiu durante a recessão dos últimos anos. É um segmento fundamental para redução do desemprego no país. O Agro foi responsável por verdadeiras revoluções sócio-econômicas em municípios como Luiz Eduardo Magalhães-BA, Nova Mutum , Sorriso e Sinope-MT, Rio Verde-GO entre outros, todos com IDHs superiores à média nacional.
Na premissa do ambientalmente correto reside o ponto mais forte, mas também, o mais polêmico do agronegócio. Força porquê estamos falando de “economia circular” (extração/produção, transformação, consumo, reintrodução na cadeia) em detrimento da “economia linear” (extração/produção, transformação, consumo. descarte) que, em função do esgotamento dos recursos naturais, não tem mais espaço no sec XXI. O Agro, por sua característica de renovabilidade, contribui em cheio para o desenvolvimento sustentável. Para qualquer tipo de necessidade humana, possui produtos renováveis, sejam bioenergia, fibras ou alimentos. No lado polêmico, podemos citar as recorrentes infrações às leis ambientais e a não utilização das melhores tecnologias existentes para produção agropecuária ou para as operações agroindustriais, apesar de sempre existir aquela específica à situação e amiga do meio-ambiente. A adoção das Boas Práticas de Produção (BPP) e o entendimento das questões relacionadas à sustentabilidade ambiental, são de fundamental importância. Afinal é no meio-ambiente onde as atividades agropecuárias e humanas acontecem.
Em um exemplo singelo da contribuição do agronegócio para o meio-ambiente, vejamos o caso dos plásticos nos oceanos. Os estudos indicam que em 2050 haverá mais plásticos do que peixes nos mares do Planeta. Os números são alarmantes: 10 milhões de toneladas de plásticos são lançadas anualmente nos oceanos.. Quatro produtos podem facilmente ser substituidos por materiais biodegradáveis ou reutilizáveis contribuindo com a mitigação do problema, bastando para isso, mudança cultural e vontade política. Sacolas plásticas (1 trilhão de unidades/ano), absorventes, cotonetes e canudos.
No caso dos canudos (100 mil ton/ano), existem quatro opções:
1. canudos de papel – matéria-prima 100% agro e biodegradável;
2. canudo de bioplástico – matéria-prima 100% agro e biodegradável;
3. canudo de aço inox – o carvão vegetal é matéria-prima básica na indústria do aço; e
4. canudo de vidro – indústria do vidro é intensiva em energia, o agro entra com energia da biomassa.
Os agentes políticos, bem como os agentes econômicos ligados ao Agro, devem ter a percepção clara da vertente ambiental como nossa principal vantagem competitiva. Esse diferencial faz da sustentabilidade, o maior e melhor ativo do agronegócio brasileiro.