Para tentar decolar, Alckmin mira Bolsonaro e Ciro Gomes

Publicado em 15/04/2018 por O Globo

Geraldo Alckmin visita ao feira agropecuária em Rio Verde (GO) - Jorge William / Agência O Globo

RIO VERDE (GO) - Logo na entrada de Rio Verde, polo do agronegócio no sudoeste de Goiás, um enorme outdoor exibe foto do deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) com os dizeres "Eu apoio político honesto". O cenário revela que o pré-candidato presidencial virou o queridinho dos empresários rurais que "não aguentam mais" ter as terras invadidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), como diz Ênio Fernandes, presidente do Conselho de Desenvolvimento da região.

Foi nesse terreno minado pelo bolsonarismo que o pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, escolheu para dar a largada, na última sexta-feira, na corrida para tentar deslanchar sua campanha. Até junho, precisará mostrar densidade e fazer alianças com partidos de peso. Na última semana, começou a montar sua equipe de campanha. Para conseguir chegar ao segundo turno, a estratégia é partir, desde já, para o confronto com dois grandes concorrentes: Jair Bolsonaro e Ciro Gomes (PDT).

Na Feira do Agronegócio Tecnoshow, em Rio Verde, Alckmin tentou convencer ruralistas de que, em vez de promessas e discurso, ele tem o que mostrar. Segundo Ênio Fernandes, um dos cicerones do encontro, Bolsonaro foi quem primeiro prometeu que as invasões do MST serão enfrentadas com energia. Na sua exposição, Alckmin disse que o Brasil precisa de segurança jurídica e de Segurança Pública. Provocou Bolsonaro e disse que, entre falar e fazer, há um abismo. Ao responder à cobrança dos ruralistas, explicou como trata o problema das invasões em São Paulo:

- Em São Paulo temos um lema: Invadiu? Desenvadiu, automático. Não há hipótese de não respeitar uma decisão judicial.

Para se vender como o "candidato da estabilidade", Alckmin fará também, segundo os tucanos, contraponto às campanhas "agressivas e incendiárias" da esquerda e da direita.

Um caminho a ser explorado na campanha é a redução do número de homicídios em São Paulo, no momento em que há uma crise de segurança no Rio de Janeiro e capitais do Nordeste. Em Rio Verde, bateu também na tecla do controle das contas públicas. Disse que conseguiu R$ 5,3 bilhões de superávit primário em São Paulo no ano passado, usados para abater dívida, enquanto outros estados quebraram.

Não é só o cerco de Bolsonaro que Alckmin tem de furar para chegar ao segundo turno. O tucano tem dificuldade em todo o Nordeste, onde o lulismo impera. Sem Lula, Ciro deve herdar boa parte dos votos. Para atenuar, Alckmin quer ter o senador Tasso Jereissati (PSDB) como candidato a governador no Ceará. Tasso diz, porém, que ficará no Senado e que é definitiva sua decisão de não concorrer.