Térmicas a carvão

Publicado em 16/04/2018 por Jornal do Comércio - RS

Em relação à matéria Diretor da Aneel apoia fim de térmicas da CGTEE ( Jornal do Comércio, 13/04/2018), a cidade de Candiota vai sofrer muito com o encerramento das atividades e a demissão da centenas de trabalhadores da CGTEE. O poder público deveria ter planejado esta desativação e a cidade ter se preparado para esta mudança de paradigma, que já afeta toda a economia da região. (Fabrício B. Aguirre)
Poupança
Aos que dizem que os indicadores da economia brasileira estão ruins, são falsos, manipulados pelo governo federal, lembro que a poupança, um dos maiores pontos para se entender a economia, teve saldo positivo em março. Isso também foi manipulado? (Marcelo de Aguillar)
Lindenmeyer e Lula
Acusam-me de "falar mal" da prefeitura petista em Rio Grande. Também acho que a crítica em demasia não é salutar. Entretanto como não criticar um prefeito/advogado (Alexandre Lindenmeyer) que se afasta dos seus afazeres num dia normal de expediente para ir a outra cidade apoiar um condenado pelo TRF-4 (o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, PT), quando sua administração passa por sérios problemas de gestão? Cito, por exemplo, os problemas na folha de pagamento dos servidores de Rio Grande nos últimos três meses. (Augusto César Martins de Oliveira, coronel da reserva do Exército e advogado, Rio Grande/RS)
Lula e os candidatos
Ninguém embala na pesquisa presidencial, porque temos um punhado de candidatos sem graça, engessados em macroeconomia, relações exteriores e institucionalizados. Sem riso e sem abraço. E, sem isso, não há encantamento, nem interesse de voto. O eleitor é carente de muita coisa. Aliás, de quase tudo. De saúde, segurança e educação. Mas carente, mesmo, mostra-se de afeto. A sociedade precisa de mais carinho e, soa bobo dizer isso, mas um cara quase analfabeto fez essa interpretação e começou pelo ABC. Lula deu ao Brasil o que o Brasil quis: um amigo na política - ainda que depois fosse traído. Lula tinha que ser preso. A Justiça disse. E feito está. Agora, Lula ensinou como se conquista um eleitor - e é pelo coração e não só pelo trabalho. Isso tudo gera uma síntese: a solução do Brasil não é mudar de políticos e, sim, rever o que procura nos políticos. Lula é sem dúvida, o maior ícone político contemporâneo da América Latina. A ativação de políticas públicas no campo social e de educação até podem fermentar o amor pelo vilão do triplex do Guarujá. Lula é diferente. Tem no DNA um traço de povo que todo marqueteiro procura. Fala na roça, na favela e na ONU. Lula lá, em Curitiba, vira um mártir. Há quem ame, quem odeie. Muitos sentem dó. Esse texto não vem de um esquerdopata aficionado pelo condenado. Trata-se de uma análise, ainda que rasteira, do que o brasileiro busca no político. (Lucas Dalfrancis)