Tradições culturais são valorizadas pelas escolas

Publicado em 14/05/2018 por A Tarde - BA

Seg , 22/06/2015 às 11:25

Wynne Carvalho

Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha - Foto: Divulgação Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha - Foto: Divulgação Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha - Foto: Divulgação Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha - Foto: Divulgação Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha - Foto: Divulgação Colégios mantém viva a tradição: alunos do Colégio Oficina ensaiam para apresentação de quadrilha

<

>

Manter viva tanto as culturas regionais como populares é  um desafio. É por essa razão que é preciso reforçar cada vez mais essa temática nas instituições de ensino.

Assim, escolas públicas e privadas da capital baiana investem em projetos pedagógicos que incluam os temas dentro do conteúdo programado.

Sobre o assunto, o professor da Faculdade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e consultor do Colégio Oficina, Marcelo Faria, afirma que as escolas precisam "se  abrir para o mundo".

"Hoje, as instituições estão colonizadas pelo foco nos vestibulares. O currículo acaba sendo escravizado e existe necessidade, também, de se discutir a cultura regional e popular" , conta.

É o que reafirma o coordenador pedagógico do Ensino Médio do Colégio Antônio Vieira, José Teixeira, conhecido como Zelão, que articula em suas pesquisas o currículo, formação e pedagogias culturais do tempo presente.

"A escola traz as formas de expressar a cultura do passado assim como o  que hoje se produz como cultura.  A maneira como as crianças brincam, por exemplo, são manifestações culturais. Nos estamos muito distantes desse tipo de discussão na maioria das escolas, é preciso fazer mais" , disse.

Nas escolas

No Colégio Oficina o chamado tema do ano de 2015 é  "Cultura popular". Assim, os estudantes, segundo a coordenadora pedagógica da escola, Cláudia Cely Pessoa, "repensam, refletem e recriam a temática em suas diversas abordagens".

"Esse é um tema que deve compor a formação do indivíduo, por isso ele não é temporal. O estudo da cultura não deve se restringir às festas populares, marcadas em determinados calendários, já que estamos num país de grande extensão territorial com diversas contribuições para a formação da identidade nacional" , explica Cláudia Cely Pessoa.

Na Escola Municipal Almirante Ernesto de Mourão Sá, em Salvador, a  gestora da instituição, Jaciara Paz, afirma que a realização de projetos relacionamos as temáticas culturais são "instrumentos pedagógicos que viabilizam e ampliam os processos de ensino aprendizagem".

Ela acrescenta que valorizar a cultura local ajuda a "despertar os pesquisadores, os poetas, cantores e artistas que não percebemos no decorrer das aulas".

É o que acontece, também, no Colégio Antônio Vieira. A professora Eliana Bomfim, coordenadora pedagógica do 6º e 7º anos do ensino fundamental, afirma que é importante que hajam trabalhos que envolvem a temática cultural regional pois "é algo nosso".  

"Propiciar aos alunos um mergulho nas suas raízes culturais, é contribuir para a formação de uma sociedade que reconhece, valoriza e respeita a diversidade cultural" , esclarece.

"Aqui no colégio os nossos alunos estão vivenciado o São João através de algumas atividades e de alguns projetos, como por exemplo  o projeto trabalhado no 6º ano, chamado Ecordel. Nesse projeto os alunos tiveram contato com cordelistas, construirão cordéis com a temática do meio ambiente e já trabalharam com o xote e baião" , explica.