Trigo avança nos campos paranaenses

Publicado em 13/06/2018 por Valor Econômico

Alécio Cezar/Rally da Safra 2018
Lavoura de trigo à esquerda e de milho à direita em Araruna, na região oeste do Paraná; preços em alta levaram produtores a ampliar as apostas no trigo

As lavouras de trigo ganharam mais espaço nas paisagens do Paraná, maior Estado produtor do cereal no país, neste ano. Já é possível observar grandes áreas com as fileiras de trigo começando a crescer em contraste com as plantações de milho que ainda dominam o cenário.

Problemas climáticos que impediram a semeadura do milho safrinha do ciclo 2017/18 dentro da janela ideal de plantio levaram muitos agricultores a preferirem o trigo. Além disso, os preços em patamares atraentes também foram fundamentais para o produtor se arriscar com o cereal.

Leia mais

Em junho do ano passado, o preço do cereal no país estava em US$ 200 por tonelada, considerando o preço FOB na Argentina como balizador. Na semana passada, alcançava US$ 270.

"É um mercado que na teoria é muito bonito, que faz sentido, mas que, na prática, é diferente", afirmou André Debastiani, sócio da consultoria Agroconsult, a uma plateia de produtores de Cascavel (PR) e região. Dentre os presentes estavam muito daqueles que decidiram apostar no trigo neste ciclo.

"Eu tenho 27 anos e nunca vi meu pai plantar trigo. Ajudo desde os 15 anos na lavoura", afirmou Leonardo Grolli, produtor de Cascavel. "Eu gostava da dobradinha: soja e milho. Nunca perdi", completou o pai de Leonardo, Wilson Grolli, que reveza, semeando as culturas de soja, milho e trigo desde 1976.

De acordo com a Agroconsult, a área de trigo semeada neste ano no Paraná deve crescer 5,2%, para 1,012 milhão de hectares. Os números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgados ontem, indicam uma área de 1,046 milhão de hectares no Estado, 8,8% acima do ciclo passado.

O patamar de preços também será um fator que motivará o aumento de área semeada com trigo na Argentina, que produz um cereal de qualidade superior ao brasileiro. "Em pesos, o preço do trigo mais que dobrou. Trabalhamos com um cenário de aumento de 5% de área na Argentina, para 6 milhões de hectares", disse Debastiani, em palestra durante a última etapa do 15º Rally da Safra, expedição que percorre lavouras, organizada pela Agroconsult.

Segundo o consultor, considerando uma safra normal, a Argentina produzirá algo em torno de 18,3 milhões de toneladas. Com clima favorável, esse número pode chegar a 20 milhões. O consumo doméstico na Argentina é de 6 milhões de toneladas, o que significa cerca de 14 milhões de toneladas exportáveis. "E é esse trigo que vai chegar ao nosso mercado", disse Debastiani.

A Conab estima que o Brasil deve produzir 4,857 milhões de toneladas de trigo neste ano, 13,9% a mais que em 2017. O Paraná será responsável por 57,8% da produção, com 2,795 milhões de toneladas. A despeito do aumento da produção, a Conab projeta alta de 6,6% nas importações, para 6,5 milhões de toneladas.

Como muita água ainda vai rolar durante a safra de trigo, eventuais problemas de qualidade ou de produtividade não estão descartados. Em 2017, o excesso de chuvas provocou uma queda de quase 40% na produção do cereal no Paraná. "A gente já tem uma área de replantio de trigo porque teve excesso de umidade", disse Leonardo Grolli.

"Se o câmbio ajudar, exportaremos trigo de menor qualidade para África para fazer ração e importaremos para consumo da Argentina", afirmou Debastiani.

Com o peso desvalorizado pela crise na Argentina, o Brasil se torna um mercado ainda mais atrativo para os exportadores do país vizinho. "O receio é que haja uma inundação do trigo argentino e isso derrube os preços [domésticos]", ponderou Debastiani.

A repórter viajou a convite do Rally da Safra