Alumínio recua após tarifas dos EUA, mas cobre opera sobe com recuperação

Publicado em 09/03/2018 por IstoÉ

As tarifas à importação de aço e alumínio anunciadas ontem pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, influíam nos metais nesta sexta-feira. O alumínio opera em queda, embora o cobre opere com sinal positivo, em recuperação parcial após a queda mais forte de ontem.

Às 8h45 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,34%, a US$ 6.846 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 9h05, o cobre para maio tinha alta de 0,23%, a US$ 3,0860 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O contrato do alumínio, por sua vez, recuava 0,3%, a US$ 2.101 a tonelada, na LME. O metal, porém, não tinha perdas tão acentuadas quanto as vistas mais cedo nesta semana.

Trump anunciou as tarifas ontem, além de sinalizar que pode haver pressão ainda mais agressiva sobre parceiros comerciais no futuro, especialmente a China. Ele também ofereceu isenções das tarifas ao Canadá e ao México, a depender das negociações do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês). O Canadá fornece mais de 50% do alumínio dos EUA.

Depois disso, a Casa Branca disse que Trump havia aceitado um convite de se reunir com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, um encontro sem precedentes entre os dois líderes. A medida contribui para reduzir o apetite dos investidores por ativos considerados mais seguros, como o ouro.

Analistas disseram que a exclusão em princípio do Canadá das tarifas dos EUA aliviou o revés representado pelo anúncio de Trump. Diretor global de mercados de estratégia de commodities do BNP Paribas, Harry Tchilinguirian afirmou que a exclusão de Canadá e México alivia parte das consequências negativas para a economia dos próprios Estados Unidos.

Caso o Nafta sobreviva, os preços locais do alumínio poderiam evitar um choque. Analistas do ING destacaram em nota que isso faria "toda a diferença" para o prêmio do alumínio nos EUA. Já o Commerzbank apontou que a União Europeia prometeu uma resposta "prudente e proporcional", mas disse que a retórica da China preocupa mais, diante do temor de uma guerra comercial.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,23%, a US$ 3.219 a tonelada, o estanho tinha queda de 0,35%, a US$ 21.460 a tonelada, o níquel subia 1,59%, a US$ 13.410 a tonelada, e o chumbo ganhava 0,17%, a US$ 2.532 a tonelada. Fonte: Dow Jones Newswires.