Avançam aportes em infraestrutura

Publicado em 14/11/2017 por Valor Online

Os juros mais baixos e a maior procura por algumas linhas do Plano Safra levaram os desembolsos de crédito rural para investimento a crescerem 30%, para R$ 13,1 bilhões, nos quatro primeiros meses da safra 2017/18 (julho a outubro) em comparação com igual período do ciclo anterior (2016/17). De acordo com o Ministério da Agricultura, há uma retomada do crédito que não está relacionada à compra de insumos como tratores, sementes ou defensivos, mas sim aos investimentos em infraestrutura das fazendas, como instalação de armazéns, galpões e automação. Para o secretário de Política Agrícola do Ministério, Neri Geller, os cenários favoráveis de mercado para grãos e outras culturas, como cana-de-açúcar e algodão, justificam o aumento da demanda por recursos para renovação de canaviais e tecnificação e lavouras, por exemplo. Até outubro, foram R$ 3 bilhões a mais concedidos pelos bancos para investimento, numa safra 2017/18 que com forte ritmo de contratações até agora. Em comparação com o mesmo intervalo do ciclo anterior, o volume total de crédito tomado cresceu 24,5% para R$ 63 bilhões. A agricultura empresarial demandou um montante de R$ 53 bilhões, incremento de 28% sobre o mesmo período da safra anterior. Com exceção do Moderfrota (financiamento de máquinas agrícolas), cujas liberações ficaram em R$ 2,6 bilhões, mesmo nível temporada passada, várias linhas destinadas ao investimento no campo registraram aumento na demanda, ainda que os valores absolutos sejam pequenos. É o caso das contratações pelo Programa de Construção de Armazéns (PCA) que mais que dobraram na comparação com a safra passada, somando R$ 216,8 milhões. A demanda em outras linhas de investimento também avançou. As contratações no Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono) cresceram 348% para R$ 344 milhões; o Inovagro (inovação) teve alta de 276,6%, para R$ 220 milhões e o Moderinfra (irrigação) teve aumento de 92,6%, para R$ 140 milhões.