Bolsa sobe acompanhando bom humor externo

Publicado em 14/03/2018 por O Globo

Notas de dólar - DADO RUVIC / Reuters

RIO - A Bolsa opera em alta nesta quarta-feira, na esteira dos mercados externos. O Ibovespa, principal índice do mercado de ações local, avança 0,31% aos 86.654 pontos, após a divulgação de dados da economia chinesa animarem o mercado, com resultados acima do esperado. O dólar comercial, por sua vez, tem leve recuo de 0,24%, cotado a R$ 3,255.

A moeda americana acompanha o desempenho positivo de outras moedas após dados positivos na China compensarem receios políticos nos EUA. A produção industrial chinesa teve uma alta de 7,2% em fevereiro, ante à expectativa de 6,2% e ajuda a sustentar os preços das commodities.

"Os dados da indústria chinesa, acima do esperado, diminuem a preocupação - crescente - com relação ao governo americano. Afinal, o governo de Trump é, cada vez mais, um governo de um homem só. Em dia de agenda fraca, ativos locais seguirão o exterior, que se mostra mais favorável hoje. Assim, o viés em bolsa é altista, e nos mercados de câmbio e juros vemos possíveis quedas" resumiram, em relatório, economistas da Guide Investimento.

Nos Estados Unidos, o decréscimo de 0,1% das vendas do varejo (abaixo do estimado) e a inflação ao produtor, que desacelerou de 0,4% para 0,2% em fevereiro, também contribuem para o recuo da moeda e aliviam as preocupações sobre mais um possível aumento de juros do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Isso porque os números refletem um cenário de inflação contida.

A alta das commodities impulsiona a Vale, que exerce o principal impacto positivo no pregão. Com os contratos para maio do minério de ferro sendo negociados em alta de 1,04%, os papéis da mineradora avançam 2,40% e são cotados a R$ 43,14.

A Petrobras também sobe na esteira do petróleo: enquanto os papéis do barril do tipo Brent para junho avançam 0,14%, as preferenciais (PN, sem direito a voto) da estatal têm alta de 0,16% a R$ 22,27.

A Fibria tem valorização de 1,9%, conforme seguem as expectativas ligadas a uma potencial aquisição da companhia. Reportagem do "Valor Econômico" nesta quarta-feira afirmou que os sócios esperam ofertas melhores pela maior produtora mundial de celulose de eucalipto.

Na ponta negativa, a Eletrobras caí 5,7%, um dia após a Câmara dos Deputados instalar comissão e iniciar discussão sobre privatização da companhia. As preferenciais da elétrica acumulam em 2018 alta ao redor de 15%.