Braskem enxerga aumento da demanda por resinas no Brasil

Publicado em 10/11/2017 por DCI

10/11/2017 - 05h00

Braskem enxerga aumento da demanda por resinas no Brasil

São Paulo - A Braskem passou a observar um aumento da demanda no mercado brasileiro por resinas, indicando que a retomada da atividade econômica pode estar mais próxima.

"A boa notícia é que o PE [polietileno] e o PP [polipropileno], resinas indicadoras de atividade - pois atingem boa parte da economia - têm crescido no mercado brasileiro. O que é um bom sinal, precursor de uma melhora das expectativas para a economia no ano que vem", disse o diretor-presidente da Braskem, Fernando Mussa, durante teleconferência com jornalistas para comentar o desempenho do terceiro trimestre.

Segundo ele, "há sinais de recuperação generalizada", com exceção do mercado de construção civil, que consome resinas de PVC.

O executivo destacou que as cadeias do agronegócio e automotivo estão puxando a demanda por PE e PP, junto com o segmento de bens de consumo. "É uma demanda, em parte, que está vindo da ponta, e em outra, de alguns movimentos pontuais de recomposição de estoques da cadeia", disse.

Balanço

Segundo a Braskem, a demanda por resinas no Brasil apresentou uma alta de 6% no 3º trimestre frente ao 2º trimestre deste ano, enquanto no ano a alta chega a 4%. Apenas a companhia, que detém 69% de fatia de mercado, registrou uma alta de 10%, para 915 mil toneladas de vendas. A empresa destacou ainda que, para suprir as encomendas internas por PE, reduziu o volume exportado, em 7%, sobre o segundo trimestre deste ano.

De forma consolidada, a Braskem registrou um lucro líquido de R$ 799 milhões no terceiro trimestre, queda de 10% sobre igual intervalo de 2016. De janeiro a setembro, o lucro soma R$ 3,697 bilhões, representando um incremento 74% sobre igual intervalo do ano passado.

A receita líquida totalizou R$ 12,162 bilhões no 3º trimestre, alta de 2% na comparação anual. No ano, atingiu R$ 36,632 bilhões, alta de 3%.

No Brasil, o nível de utilização dos crackers - centrais petroquímicas - ficou em 92%, influenciada por uma parada programada no Rio de Janeiro.

Rodrigo Petry

Assuntos relacionados:

petroquímica