Lubrificantes de maconha prometem mais orgasmos; leia depoimento

Publicado em 13/03/2018 por Folha de S. Paulo Online

Um uso pouco ortodoxo da maconha tem seduzido mulheres com a promessa de orgasmos mais intensos, prolongados ou até múltiplos.

São lubrificantes à base de óleo de Cannabis e óleo de coco, aplicados no clitóris e na vagina pouco antes da masturbação ou do sexo.

A brasileira Débora Mello segura o fanzine criado por ela mesmo. Ela também é criadora do lubrificante Xapa Xana, com pés de maconha (que se encontram ao fundo da foto) em sua casa, no Uruguai
A brasileira Débora Mello, criadora do fanzine e lubrificante Xapa Xana, com pés de maconha em sua casa, no Uruguai - Carlos Pazos/Folhapress

Sua produção é oficial nos estados que legalizaram o mercado comercial da erva nos EUA, é tolerada no Uruguai e clandestina no Brasil.

Por aqui, a reportagem da Folha mapeou versões caseiras do lubrificante produzidas no Sul, Sudeste e Nordeste. Elas circulam em grupos de mulheres que se articulam via WhatsApp e redes sociais.

"Sei que posso ser presa, mas não tenho medo", diz Joana (nome fictício), 30, que produz o óleo e diz ter mais de cem clientes regulares, entre Pernambuco, Rio e São Paulo. "Quero ver mulheres mais independentes sexualmente."

Pesquisa do Projeto de Sexualidade da Faculdade de Medicina da USP, divulgada no ano passado, aponta que 56% das brasileiras têm dificuldade em atingir o orgasmo.

Joana, assim como outras brasileiras, admite ter criado seu óleo inspirada no Foria, spray criado na Califórnia em 2014, que custa US$ 50.

O estado legalizou a maconha medicinal em 1996 e sua versão comercial em 2017, juntando-se a outros oito territórios do país que tornaram legal o uso recreativo da planta.

"Os testemunhos que recebemos são incríveis, seja de mulheres jovens que têm melhores orgasmos, seja de mulheres na menopausa, que relatam maior lubrificação e prazer", diz Rebecca Hasbrouck, gerente de operações da empresa.

Uma versão do produto sem THC (tetra-hidrocanabinol, o psicoativo da Cannabis) e com CBD (canabidiol, outro princípio ativo da erva, usado em medicamentos e legal em vários países) passou a ser exportada mundo afora.

Segundo a empresa, o Brasil está entre os dez países que mais encomendam a novidade. O número de clientes brasileiras subiu de 40 para 250 em seis meses.

A Anvisa informou que a importação de produtos à base de canabidiol e outros canabinoides é autorizada para fins exclusivos de tratamento de saúde de pessoa física e mediante prescrição médica.

Nos demais casos, a importação pode ser enquadrada nos crimes de porte ou tráfico de drogas, segundo informações da Polícia Federal.

Hasbrouck diz ser esperada a proliferação de versões locais do Foria. "Nossa matéria-prima é natural. Não me surpreende que pessoas se arrisquem a criar suas versões."

A mais barulhenta delas foi criada por uma brasileira, batizada de Xapa Xana e lançada em dezembro numa feira de produtos à base de maconha no Uruguai, primeiro país do mundo a regular produção e venda recreativa de maconha com controle estatal.

"Fiz muitas pesquisas e desenvolvi um projeto de arte que trata do empoderamento sexual feminino", define Débora Mello, 41, sobre o fanzine que divulga obras de artistas latino-americanas e traz, como brinde, cinco miligramas do produto.

Vendido em sex shops e pequenas lojas na capital e no litoral uruguaios, o Xapa Xana circula no chamado "mercado gris" (cinza) -que aguarda regulação específica.

"Juntei dois tabus em um potinho: a maconha e o prazer sexual feminino", brinca ela, filha de pai uruguaio, criada numa família religiosa.

"A mulher sempre foi muito reprimida sexualmente, o que gera medo e culpa, enquanto homens sempre foram estimulados a explorar seu prazer", diz. "Agora, nós mulheres temos de aprender a usufruir do nosso corpo. É um movimento que só tende a crescer."

Mello foi sondada por um laboratório suíço, interessado em seu Xapa Xana, que já foi confundido com uma versão brasileira de mesmo nome, mas com muitas reclamações após seu uso.

LADO B

De dez brasileiras que experimentaram versões caseiras do óleo e foram ouvidas pela reportagem, sete relataram efeitos positivos e três não notaram diferença. Duas disseram terem desenvolvido candidíase após o uso. Houve relatos também de sensibilidade maior entre os parceiros.

Segundo o farmacêutico Paulo Orlandi, pesquisador da Unifesp, o controle sanitário é ainda mais importante pela via vaginal que pela oral. Feito sem condições adequadas de higiene, o óleo pode provocar um desequilíbrio na microflora vaginal, afirma ele.

O produto não deve ainda ser usado com camisinhas de látex, já que o óleo parece corromper o material.

Médicos dizem que supostos efeitos do produto podem ser devidos à eventual presença de receptores do sistema endoncanabinoide (neurotransmissores semelhantes aos compostos químicos da maconha) na região genital.

"Se existirem receptores de THC e CBD na vagina, o produto ajudaria no relaxamento daquela musculatura e sua sensibilidade", especula o ginecologista Renato Kalil, do hospital Albert Einstein. "Se este tipo de produto for aprovado pela Anvisa, eu indicaria com tranquilidade."

Para o ginecologista César Fernandes, não há dados de eficácia e segurança para o uso responsável do produto.


 

Depoimento

Nenhum faz milagre, mas abrem novas sensações

Marcella Franco

São 16h20, estou sozinha em casa, e um envelope me encara de cima da mesa da cozinha. Dentro dele, três singelos vidrinhos aguardam a avaliação de seu conteúdo.

Nestes 20 anos de carreira, já critiquei peça de teatro, show e livro, mas lubrificante à base de maconha vai ser a primeira vez. Tiro a calcinha: é hora de trabalhar.  

Foria, o lubrificante americano e o mais elegante, vem em uma embalagem que lembra produtos de beleza caros. A sensação é de que talvez os orgasmos de Hollywood sejam, finalmente, possíveis.

Xapa Xana, uruguaio, vem em um pote redondo que, a despeito de trazer a ilustração mais legal do Universo (uma xoxotinha colorida e meio alucinada), depois do primeiro uso fica todo melecado, desperdiçando produto.

Completa a escalação um óleo caseiro nacional com cara de remédio homeopático.

Embora a ideia seja aplicar na mucosa da vagina ao menos meia hora antes do sexo em si, convenhamos que esse tipo de programação é pouco prática na vida real.

Sendo casada, mãe de dois, funcionária e bailarina, admito que não tenho a vida sexual mais inusitada do mundo, mas considero broxante agendar trepadas.

Estando desacompanhada, no entanto, decidi untar as partes e aguardar. Havia uma pilha de louça a lavar, e me empenhei em cumprir tarefas domésticas fingindo não saber que passaria de dona de casa a despudorada.

Entre os três lubrificantes de maconha, o Foria foi o que menos surpreendeu. Na hora da masturbação não fez lá grande diferença, causando sensação de um Halls preto esfregado no clitóris.

O brasileiro caseiro é o que mais demora para fazer efeito, mas, quando bate, a onda é boa. Entre a dormência e o inchaço, senti a vulva mais sensível e receptiva. O orgasmo parece mais longo, embora a intensidade seja igual.

O campeão é o Xapa Xana. Além de fazer efeito de cara, causa a "chapação" esperada de um produto à base de maconha. Algumas gotas já ajudam a gozar de maneira mais prolongada e vigorosa. Pulei para o segundo, terceiro e quarto orgasmos com menos esforço que o normal.

Nenhum dos produtos faz milagre. É preciso lembrar que as condições de temperatura e pressão adequadas ainda são fundamentais -não adianta se lubrificar e sentar para assistir ao Datena na TV. Entrar no clima e relaxar ainda são importantes.

Tendo isso em mente, dá para dizer que são produtos que abrem novas sensações para quem já experimentou o orgasmo e, provavelmente, darão uma forcinha a quem ainda não chegou lá.