Mapeamento anual de áreas de risco na capital é atualizado

Publicado em 10/01/2018 por O Estado do Maranhão

O mapeamento tem caráter preventivo.

SÃO LUÍS - A etapa de visitas a áreas consideradas de risco na capital foi concluída nessa terça-feira (9), pela Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc). As informações levantadas farão parte da atualização do mapeamento anual feito pelo poder público municipal, cuja próxima etapa será a catalogação destes dados. O mapeamento tem caráter preventivo. As ação têm, ainda, o objetivo de orientar os moradores sobre os perigos de permanecer em locais apontados como de risco, principalmente durante o período chuvoso.

"O bem-estar das pessoas que vivem nesses locais é uma preocupação da gestão municipal que realiza anualmente esse levantamento para monitorar as áreas de risco, tomar providências junto a outros órgãos competentes e conscientizar os moradores do perigo de continuar no local. É uma orientação do prefeito Edivaldo que neste período de chuvas intensas, estejamos em permanente estado de alerta", observou a superintendente de Defesa Civil Municipal, Elitânia Barros.

Este ano, a etapa de visitas às áreas consideradas de risco foi encerrada no Centro Histórico, onde a Defesa Civil fez o levantamento de todos os prédios em situação de perigo iminente de desabamento. Elitânia Barros destacou a relevância da ação para a prevenção de possíveis ocorrências e para a proteção das pessoas que habitam os prédios catalogados como pontos de risco.

Ainda segundo a superintendente de Defesa Civil, por meio desse trabalho, houve uma redução significativa do número de prédios em situação de perigo, ocupados por pessoas. O registro do último levantamento, realizado em 2017, apontou 29 prédios habitados em situação de risco no Centro Hisórico. Foram mapeados 60 pontos de risco nas sete áreas cobertadas pelo levantamento na capital.

A gestora de Defesa Civil municipal acredita que o relatório atual aponte uma redução ainda mais significativa nesse número, devido a alguns fatores considerados relevantes, entre eles o fato de que muitos imóveis mencionados no último levantamento foram desocupados e reformados, a exemplo do que aconteceu com prédio 458 da Rua do Giz e o imóvel que hoje abriga a Casa do Bairro, na Rua da Palma. O solar foi amplamente reformado para congregar ações sociais desenvolvidas em atenção às crianças e adolescentes em situações de vulnerabilidade e risco social.

Outro aspecto, é que muitos dos imóveis anteriormente catalogados como perigosos foram desocupados e os moradores incluídos no programa Aluguel Social ou contemplados com unidades habitacionais do programa federal Minha Casa, Minha Vida, executado pela Prefeitura. "Dessa forma, a Prefeitura evitou que essas famílias continuassem vivendo em situação de perigo em prédios condenados pela Defesa Civil, no Centro Histórico", acrescentou Elitânia Barros.

Ações educativas

Além do monitoramento das áreas, a Defesa Civil Municipal também realiza ações educativas durante o processo de levantamento das informações, orientando as famílias sobre os perigos e a forma de agir em casos de possíveis deslizamentos ou desabamentos. Os agentes da Defesa Civil também distribuem materiais educativos voltados ao público infantil e adesivos com os números da Defesa Civil (153 ou 3212-8473).

O resultado da atualização do mapeamento será encaminhado aos órgãos competentes, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph), a Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh), a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social, entre outros órgãos afins à questão.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.