Novas sindicâncias podem trazer obstáculos para dois presidenciáveis

Publicado em 11/02/2018 por Folha de S. Paulo Online

Chegaram ao STJ e estão nas mãos do ministro Benedito Gonçalves duas novas sindicâncias envolvendo governadores.

Uma trata das traficâncias do cartel metroferroviário de São Paulo, envolve o governador Geraldo Alckmin e pode vir a ser um cisco no olho de sua candidatura.

A outra envolve o governador da Bahia, Rui Costa, e seu antecessor, Jaques Wagner. Quando Wagner afastou-se da possibilidade de vir a ser o poste de Lula, sabia que algo viria por aí.

O governador de SP, Geraldo Alckmin, sorri ao conversar com jornalistas após reunião da executiva do PSDB na última semana
O governador de SP, Geraldo Alckmin, conversa com jornalistas após reunião da executiva do PSDB na última semana - Pedro Ladeira - 2.fev.2018/Folhapress

MÉRITO DE CABRAL

Sérgio Cabral está na carceragem de Curitiba pagando seus penares enquanto milhões de brasileiros estão nas ruas com seus blocos carnavalescos.

Os deuses da alegria pedem que se reconheça: ele foi um dos principais entusiastas do renascimento do Carnaval de rua. Herdou essa paixão do pai.

BOA NOTÍCIA

Os historiadores Herbert  Klein e Francisco Vidal Luna entregam no próximos meses à editora da universidade de Cambridge os originais de seu livro "Feeding  the  World" (Alimentando o Mundo). Se tudo der certo, o volume sai no ano que vem.

É um retrato do progresso da agricultura brasileira.

Até agora, o agronegócio sofre o peso do oportunismo e da insensibilidade de alguns empresários, amarrados a práticas retrógradas. Seus avanços e o progresso ficam num estado de semiclandestinidade.

Existe um livro magnífico, porém pouco conhecido fora de uma parte do mundo acadêmico. É "Economia e Organização da Agricultura Brasileira", do professor Fábio Chaddad. Mostra um setor vitorioso, com retratos de vencedores.

VÍDEOS SUPREMOS

Há ministros do Supremo Tribunal que se fazem acompanhar por corpulentos guarda-costas. Diante dos esculachos sofridos pelo doutor Gilmar Mendes (um em Portugal e outro num avião), seria útil equipar as escoltas com câmeras.

Esculachou, é filmado. Simples assim.

MARAMBAIA HOJE

Michel Temer está pegando um solzinho na base naval da restinga da Marambaia. Viajou acompanhado pelo mínimo indispensável de pessoas para servi-lo e protegê-lo. São 38, inclusive cozinheiro e arrumadeira.

A Marinha tem um eficiente serviço de taifa e em seus quartéis a comida é boa. Não há taifeiro incapaz de arrumar um quarto.

Durante seu repouso o doutor poderia refletir sobre a história da Marambaia e o país que governa.

No século 19 aquela fazenda foi um viveiro de escravos contrabandeados pelo comendador José Joaquim Breves, um dos homens mais ricos do Brasil. Ele e irmão tiveram cerca de seis mil escravos e em suas terras o governo não mandava. Em 1851 foram capturados por lá 199 negros contrabandeados e seu advogado (Teixeira de Freitas) protestou: "Se isto continua, não vacila o reclamante em declarar que a vida e fortuna de numerosos cidadãos, assim como a paz e a tranquilidade do Império, correm iminente perigo."

A abolição só veio em 1888 e, aos poucos, a fortuna dos Breves definhou. Seus bisnetos trabalhavam para viver.

Como dizem os juristas e os gatos gordos apanhados pela Lava Jato: "Se isto continua..."