Pedro de Artagão, um chef que joga nas sete

Publicado em 12/10/2017 por O Globo

Em seis anos, o chef incorporou mais cinco estabelecimentos, que toca pessoalmente - Laura Campanella de Siervi

RIO - São sete espaços diferentes (sim, sete de uma vez!), de cardápios distintos e propostas variadas, mas com um mesmo chef no comando de tudo e de todos: Pedro de Artagão, hoje à frente de um complexo gastronômico estelar, dos melhores que temos no Rio. Haja fôlego. Haja imaginação. Mas isso, posso atestar, esse carioca que cozinha desde os 17 anos (fazia tortas doces para vender), que tatuou no braço as palavras "comer, beber, viver" e que começou sua carreira no Gourmet de José Hugo Celidônio, tem é de sobra. Basta conferir.

O pioneiro Irajá Gastro é um case de sucesso: fincou bandeira numa rua sem qualquer tradição gastronômica, a Conde de Irajá, em Botafogo, e fez daquele cantinho um point. Hoje, o restaurante chega ao sexto ano de funcionamento com décor remoçado pelo arquiteto Mauricio Nóbrega, um cardápio tinindo de novo (gratas mudanças), uma carta de vinhos assinada pela Julieta Carrizzo, que vai dar o que falar (só traz rótulos brasileiros) e, not last but least, seus salões lotados. É feito para brindar. E aqui sugiro o moscato da Vinha Unna, de Pinto Bandeira (RS), vinícola tocada por mulheres, que traz em seus rótulos nomes como Teimosia, Canto da Sereia ou Livre Arbítrio, que provei e adorei. Ou sauvignon blanc feito em Itapecerica, Minas Gerais, batizado de Maria, Maria, uma homenagem do produtor ao compositor Milton Nascimento. Ou ainda o fresco chenin blanc Vale do Luar, que chega do solar Vale do São Francisco, na Bahia. É de dar orgulho.

- Resolvi acabar com as fórmulas do cardápio. Sobrava muita comida, um desperdício que dava dó. Agora, o cliente monta a sequência que quiser e compartilha à mesa, já que são pratos perfeitos para dividir - explica Artagão, que trocou todos o cardápio anterior. Só ficou mesmo o hambúrguer do chef, servido agora só aos domingos.

Panqueca de Nutella com banana - Divulgação

No novo menu, bossas como o macaron de farinha de amêndoas recheado de coalhada caseira e ovas de salmão (R$ 28), o toast de polvo à vinagrete (R$ 28), a "carne crua" com tangerina e katsuobushi (conserva seca de atum), servida dentro da fruta (R$ 48), a espetacular barriga de porco com abóbora (R$ 54), uma sexta versão do chef para a salada caprese, dessa vez com rodelas de morango e sorbet de tomate (R$ 48) e o melhor dos melhores: churros salgados salpicados com uma nuvem de queijos brasileiros e ervas (R$ 22). De comer sem parar. De sobremesa, e Artagão é bom de doce, tem o genial bolo de rolo de pistache com recheio de goiabada e toque de iogurte.

Já a porção francesa do grupo Irajá, o Formidable Bistrot, no Leblon, segue carreira sólida com os seus gougères quentinhos recheados de requeijão (R$ 24), o schnitzel (bifão à milanesa alemão), fininho e de casca dourada, servido com pontinhos de mostarda bacana (R$ 28), o boeuf bourguignon impecável (R$ 84) e o melhor steak tartare do pedaço (R$ 42). De sobremesa? Em pique de "ulalT, tem crepe suzette, pain perdu, profiteroles de gianduia (R$ 36). É consultar o grande quadro-negro que percorre as mesas e fazer suas apostas certeiras. No mês passado, o Formidable passou a servir um reforçado café da manhã que adentra a tarde e se estende até a noite. É café de horário integral. Na saída, virando a porta, se alcança a Boulangerie. O perfume serve de pista: difícil não sair dali com alguma das fornadas da casa em mãos.

As criações de Pedro de Artagão

  • Churros de queijos brasileiros do IrajáFoto: Divulgação

  • Macarrons da Cozinha do ArtagãoFoto: Divulgação

  • Salada Caprese da Cozinha do ArtagãoFoto: Divulgação

  • O schnitzel Formidable Bistrot é servido com pontinhos de mostardaFoto: Divulgação

  • Panqueca de Nutella com bananaFoto: Divulgação

  • Empada de cavaca e camarãoFoto: Divulgação

  • O beignet da BoulangerieFoto: Divulgação/Alexander Landau

  • O polvo à vinagrete servido no AzurFoto: Divulgação

  • A barriga da porco com abóbora faz parte do novo menu do Irajá Foto: divulgação

  • O Croque Madame da BoulangerieFoto: Divulgação

1 de 10
Anterior Próximo

No Azur, o quiosque de Pedro Artagão fincado nas areias do Leblon, a infra é de restaurante: na verdade, são dois quiosques interligados com capacidade para acomodar até 140 lugares. Ali, o forte são os frutos do mar com pegadas mediterrâneas. Avistando a praia e pegando uma boa brisa (a hora é essa) é possível desfrutar de pratos como camarões à Bulhões Pato (R$ 52), lagosta grelhada ao alho e óleo (R$ 96), e moqueca com ou sem dendê, para duas ou três pessoas (R$ 140, a de camarão; e R$ 160 a de cavaca). Mas tem sanduíches também, como o de chorizo, servido no pão que chega da onde? Da Boulangerie (R$ 26). E opções de petiscos, caso do croquete de porquinho (R$ 6) e das empadas de cavaquinha (R$ 22, a porção). Do bar, saem sangrias, gim (tem Monkey 47, a R$ 58, a dose) e borbulhas para todos os gostos e bolsos. Do bom nacional Cave Geisse rosé, a R$ 172, ao Taittinger, a R$ 640, a garrafa. A onda é sua. Outro veterano do time, o Cozinha Artagão fica no Barrashopping, num salão para 120 pessoas e cardápio só com os pratos mais consagrados da sua cozinha. Tem arroz de bacalhau (R$ 78), polvo com batatas machucadas e farofa de calabresa (R$ 82), carne assada que desmancha no garfo - no fogo por 12h -, que chega com spaghettini com gorgonzola (R$ 68), tropeirinho a cavalo (R$ 64) e pasta fresca com lagostim e gengibre (R$ 78).

- divulgação/alexandre landau

Como se fosse pouco, Aratgão partiu para mais uma nova empreitada. E de peso: assumiu a parte gastronômica do Blue Note, a casa de espetáculos na Lagoa. Para ali, programou lagosta com canjiquinha (R$ 90), burrata mediterrânea (R$ 48), bolinhas de siri com aioli e curry (R$ 24, a porção), o blue burger, hambúrguer coroado com uma lasca de gorgonzola (R$ 52) ou ainda pasta fresca com pomodoro e caciocavallo, um primo do provolone de sabor mais elegante (R$ 62). Aberto há cerca de três meses, nosso chef hiperativo pegou o embalo e parece que não desafinou. Irajá, Formidable, Boulangerie, Cozinha, Azur, Blue Note... Faltou alguma coisa? Sim, Artagão e seu staff, perto de 300 funcionários (editam um jornal interno, o "Irajá News"), tocam ainda o catering Artagão, de comes e bebes para festas. Ufa! Fechou o placar desse chef que joga (bem) nas sete. Não é para fracos. Nem iniciantes.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)