Petróleo oscila perto da estabilidade, próximo das máximas em dois anos

Publicado em 09/11/2017 por IstoÉ Dinheiro

Os contratos do petróleo operam perto da estabilidade, próximos das máximas em dois anos nesta quinta-feira. Investidores avaliam as tensões geopolíticas em grandes países produtores, que têm apoiado o barril nas últimas semanas.

Às 9h15 (de Brasília), o petróleo para dezembro subia 0,33%, a US$ 56,99 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para janeiro avançava 0,39%, a US$ 63,74 o barril, na ICE. Mais cedo os contratos chegaram a recuar, mas agora tentam firmar-se me terreno positivo.

Os preços do petróleo subiram mais de 4% ao longo da última semana, em parte por causa das investigações de corrupção e do afastamento de autoridades na Arábia Saudita, onde o príncipe herdeiro Salman deteve dezenas de príncipes, ministros e importantes empresários.

"O rali do petróleo continua, no momento em que a consolidação do poder saudita se soma a preocupações geopolíticas existentes", disse Norbert Rucker, diretor de pesquisas em commodities do Julius Baer.

Os eventos na Arábia Saudita se seguem a tensões maiores em outros produtores, como Irã, Venezuela e Iraque. Preocupações com a oferta têm ajudado a apoiar os preços. Analistas do Goldman Sachs dizem que os riscos de problemas na produção e instabilidade política aumentaram em alguns produtores. O banco projeta, porém, que o Brent esteja US$ 58 o barril no fim deste ano, abaixo do nível atual.

Mesmo uma alta inesperada ontem nos estoques de petróleo nos EUA não foi suficiente para acabar com a força dos contratos. O Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informou que os estoques de petróleo dos EUA aumentaram 2,2 milhões de barris na última semana, o que contrariou a previsão de alta dos analistas.

Os investidores aguardam ainda uma reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em 30 de novembro, onde uma extensão do acordo para cortar a oferta deve ser discutida. Atualmente, a previsão é de que a iniciativa acabe em março.

O Emirates NBD Bank disse em nota que o mercado aparentemente projeta que o acordo da Opep durará todo o ano de 2018, mas aponta que a garantia de que o nível de cumprimento esteja perto de 100% será crucial para o próximo ano, já que a oferta de fora da Opep deve ter recuperação forte. Fonte: Dow Jones Newswires.