Preço mundial dos alimentos sobe 8,2% em 2017, diz FAO

Publicado em 11/01/2018 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

A forte demanda deve sustentar os preços mundiais dos alimentos em 2018, embora a situação política nos países produtores de petróleo e as negociações comerciais internacionais possam gerar maior volatilidade, disse nesta quinta-feira (11) Abdolreza Abbassian, economista da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Os preços mundiais dos alimentos subiram 8,2% em 2017 ante 2016, atingindo seu maior valor anual desde 2014, em um índice compilado pela FAO.

No Brasil, houve deflação dos alimentos em 2017, resultado de uma supersafra no primeiro semestre. A queda dos preços do produto foi uma das razões para o baixo índice de inflação observado em 2017, abaixo do piso da meta do Banco Central.

A situação não deve se repetir no Brasil em 2018, avaliam analistas.

Os alimentos nos mercados internacionais ainda estão 24% abaixo das máximas de 2011, e a oferta de muitas commodities que compõe o índice da FAO (cereais, oleaginosas, produtos lácteos, carne e açúcar) permanece ampla.

"O sentimento geral é que sabemos quais são os suprimentos e não há desculpas para pensar que a demanda poderá enfraquecer. Então há um impulso a ser construído", disse Abbassian.

O indicador da FAO subiu em 2017, apesar de uma queda de 3,3% em dezembro em relação a novembro, com recuo acentuado nos preços de produtos lácteos, óleos vegetais e açúcar.