Projetos da Embrapa recebem recursos do Programa de Incentivo a Pesquisa no Vale do Araguari

Publicado em 09/02/2018 por Diário do Amapá

Dois projetos de pesquisas da Embrapa Amapá, voltados para manejo de búfalos, fruticultura e cultivo de mandioca, foram aprovados para receber recursos do Programa de Incentivo a Pesquisa no Vale do Araguari (AP), coordenado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amapá (Fapeap). Também foram contempladas, por meio de edital público, propostas de pesquisadores da Universidade Federal do Amapá (Unifap) e do Instituto Estadual de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (Iepa). O ato de assinatura dos termos de concessão de auxílio financeiro para as propostas, nesta quinta-feira, 8/2, no prédio da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (Setec), reuniu a diretora-presidente da Fapeap, Mary Guedes, o chefe-geral interino da Embrapa Amapá, Nagib Melém, o chefe de Pesquisa da Embrapa Amapá, Wardsson Borges, pesquisadores responsáveis pelos projetos e equipe técnica da Fapeap.

Dos sete projetos inscritos, cinco foram cinco foram aprovados e destes quatro serão financiados, sendo dois da Embrapa Amapá, um do Instituto de Pesquisa Científica e Tecnológica do Amapá (Iepa) e um da Unifap. A diretora da Fapeap, Mary Guedes, ressaltou que esta chamada teve por objetivo fomentar projetos de pesquisa básica e aplicada e estimular iniciativas inovadoras que proporcionem soluções de impactos e de baixo custo para a região do Vale do Araguari sobre influência da usina hidrelétrica de Ferreira Gomes (FG).

Criação sustentável de búfalos em áreas da bacia do Araguari

O projeto intitulado "Alternativa de manejo sustentável para a bubalinocultura na bacia do Araguari", coordenado pela pesquisadora Ana Elisa Alvim Dias Montagner, tem como objetivo avaliar a viabilidade bioeconômica do sistema de produção de bubalinos com sistema de cria em campos inundáveis e engorda em pastagem cultivada no cerrado, na bacia do Araguari, no estado do Amapá. As atividades serão realizadas nos municípios de Amapá, Cutias, Ferreira Gomes e Macapá, no período de fevereiro de 2018 a janeiro de 2019, sob liderança da Embrapa Amapá, com colaboração de pesquisadores da Universidade Federal Rural do Pará (Ufra), Universidade Federal do Acre e Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap). Os estudos em área de cerrado serão conduzidos em propriedade rural às margens do rio Araguari, no município de Ferreira Gomes, em parceria com a Associação dos Criadores do Amapá (Acriap). A alternativa de manejo a ser avaliada consta da fase de cria dos bubalinos em pastagem nativa em propriedade localizada no baixo Araguari e posterior engorda/terminação para o abate em área de cerrado com pastagem cultivada.

Com este projeto, a expectativa é obter informações sobre o desempenho de bubalinos em pastagem cultivada com e sem suplementação proteica no cerrado da bacia do Araguari; sobre o comportamento digestivo de bubalinos em pastagem cultivada com e sem suplementação proteica no cerrado da bacia do Araguari; a definição de um diagnóstico econômico do sistema integrado campos inundáveis/cerrado para a bubalinocultura. Entre os impactos esperados estão a adoção de estratégias de manejo para manter e sustentar a diversidade biológica e produtividade em longo prazo dos campos inundáveis, minimizando os impactos e possível degradação no baixo Araguari, a melhoria na gestão e organização na cadeia produtiva, otimizando a produção animal através da redução do tempo para abate, gerando produtos de qualidade, compatíveis com as exigências do mercado da cadeia da carne, e a geração de políticas públicas, afim de mitigar os efeitos negativos à sustentabilidade socioeconômica e ambiental da bacia do Araguari.

Cultivos de mandioca e frutíferas em instituição para dependentes químicos

A proposta do projeto "Implantação e Análise de Unidades de Referência Tecnológica de Mandioca e Fruticultura no Vale do Araguari", coordenado pelo pesquisador da Embrapa Amapá, Antonio Claudio Almeida de Carvalho, visa implantar parcelas demonstrativas das culturas de mandioca, açaí de grota, banana e cupuaçu, na área agrícola da instituição filantrópica de recuperação de dependentes químicos Lírios do Vale, em funcionamento há cerca de 10 anos nas proximidades da hidrelétrica de Ferreira Gomes, Distrito do Paredão. Os próprios internos participarão da implantação e manutenção de um viveiro comunitário para produção de mudas de fruteiras, que serão distribuídas aos agricultores familiares da área do entorno das hidrelétricas.

O objetivo deste projeto é fortalecer a agricultura familiar em comunidades rurais localizadas no entorno do rio Araguari, por meio de pesquisa e transferência de tecnologias relacionadas aos sistemas de produção de mandioca e fruticultura. Entre os resultados a serem alcançados estão a implantação de um viveiro comunitário para produção de mudas de fruteira, como infraestrutura para introdução de espécies recomendadas de culturas perenes na região de atuação do projeto; implantação de Unidades de Referência Tecnológicas (URTs) de açaí de grota, banana, mandioca e cupuaçu