Suzano espera aprovação do Cade

Publicado em 06/12/2017 por DCI

06/12/2017 - 05h00

Suzano espera aprovação do Cade

São Paulo - A Suzano deve receber o aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para a conclusão da compra da Fábrica de Papel da Amazônia (Facepa) no primeiro trimestre do ano que vem, "sem grandes dificuldades", informou a companhia.

"Esperamos que a aprovação ocorra em um período curto. Hoje não temos participação nesse mercado, então não há concentração", avaliou em entrevista ao Broadcast o diretor de finanças e relações com investidores, Marcelo Feriozzi Bacci.

A Facepa tem participação de 15% em toalhas de papel, guardanapos, fraldas, papel higiênico e lenços de papel no mercado regional, com fábricas localizadas em Belém (PA) e Fortaleza (CE), totalizando uma capacidade instalada de aproximadamente 50 mil toneladas por ano.

Concentração

Segundo analistas do setor, o mercado de papel tissue tem grandes players no âmbito nacional e outros com forte atuação regional, como a Facepa. Por isso, a expectativa é que o órgão concorrencial aprove a conclusão do negócio sem restrições, já que a Suzano está começando a atuar em tissue.

"A aquisição da Facepa serve para acelerar a nossa entrada nesse segmento. Ela está bem posicionada no mercado", frisou o diretor de bens de consumo da Suzano, Fabio Prado.

Na semana passada, a Suzano inaugurou oficialmente sua unidade de bobinas usadas na confecção de papéis sanitários, localizada em Imperatriz (MA), com capacidade para produzir até 60 mil toneladas de papéis por ano. Com a compra da Facepa, a produção de papéis sanitários passará a responder por pouco mais de 3% da capacidade instalada de produção total da Suzano.

De acordo com Prado, esse é um segmento ainda pequeno dentro da companhia, mas que terá o maior crescimento percentual daqui para frente.

"Esse é o tipo da área de negócios que vai se beneficiar do cenário de recuperação do País, que vai gerar não só aumento do consumo, mas também a migração de hábitos, com a compra de produtos de qualidade superior", avaliou.

Da Redação e Agências

Assuntos relacionados:

concorrencial