A todo vapor

Publicado em 11/02/2018 por A Gazeta - MT



Gustavo de Oliveira, após deixar o comando da Secretaria de Estado de Fazenda, continua trabalhando a todo vapor. Reassumiu seus negócios na iniciativa privada e o cargo de vice da Federação das Indústrias (Fiemt). Aliás, do dia 17 a 24 deste mês, ocupará a presidência da entidade, por motivo de viagem a trabalho do presidente Jandir Milan. Oliveira é conhecido por seu perfil de visão empreendedora, conciliador e extremamente equilibrado no trato empresarial e com seus liderados.

Prioridades

Enquanto a maioria dos líderes partidários já iniciou os debates sobre as eleições deste ano - embora também a maioria sustente que é cedo para isso - o secretário de Estado de Educação, Marco Marrafon, que assumiu recentemente o comando do PPS em Mato Grosso, se mostra preocupado mesmo em continuar sendo secretário. Ou Marrafon é realmente muito discreto, ou o assunto das eleições, de fato, ainda não está entre suas prioridades.

Conversa fechada

Já tem quem aposte que Mauro Mendes já sentou com os ex-prefeitos Percival Muniz (Rondonópolis) e Otaviano Pivetta (Lucas do Rio Verde), ex-parceiros do governador Pedro Taques (PSDB) e hoje críticos à gestão estadual. Mais, que o próximo passo da conversa inclui Jayme Campos e a finalização será com o ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP). Ou seja, uma chapa de respeito...

Aliados, mas...

Enquanto isso, do outro lado, a gestão Pedro Taques estaria enfrentando o resultado de ter deixado de fora de sua gestão muitos partidos que estiveram na trincheira de batalha pela eleição do atual governador. Não teria sido respeitada a máxima de quem ajuda a ganhar, ajuda a governar. Se bem que, pela enxurrada de críticas que esses mesmos partidos fazem à gestão...

Sem problemas

Aliás, se para o PSDB seria ruim ter dois candidatos majoritários - o governador Pedro Taques à reeleição e o deputado federal Nilson Leitão ao Senado - numa mesma chapa, para o DEM isso não parece ser problema. Pelo tom da entrevista de Mauro Mendes à Rádio Vila Real e de Júlio Campos ao Jornal do Meio Dia, na quinta-feira (9), o partido não está nem um pouco preocupado em ter o ex-prefeito da Capital concorrendo ao Paiaguás e Jayme Campos tentando voltar para o Senado.

Emendas

Apesar das queixas dos deputados estaduais, o secretário-chefe da Casa Civil, Max Russi (PSB), garante que as emendas parlamentares têm sido pagas diariamente pelo governo do Estado. Segundo o socialista, são destinados para esse fim de R$ 200 mil a R$ 500 mil por dia, com a sobra do fluxo de caixa do governo.

Será?

Circula no meio político um rumor de que o deputado federal Adilton Sachetti estaria percorrendo alguns municípios do interior lançando seu próprio nome ao governo do Estado. Acontece que Sachetti sequer está filiado a um partido e, além disso, a tendência é que migre para o Democratas que, ao que parece, será o partido escolhido pelo ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, que para ser candidato ao governo, basta pronunciar um "aceito".

Pressão

ONG Moral está em busca do apoio do procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, e do presidente da CPI "do PaletÔ, o vereador Marcelo Bussiki (PSB), para apresentar um documento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo o compartilhamento dos autos do processo contra o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), derivado da delação do ex-governador Silval Barbosa. Bussiki, aliás, já fez um pedido semelhante à Corte e continua esperando resposta.