Airbnb acrescentou R$ 2,5 bilhões ao PIB brasileiro em 2016, diz Fipe

Publicado em 11/10/2017 por Valor Online

SÃO PAULO - A renda extra obtida por famílias que alugaram quartos e imóveis por meio da plataforma Airbnb no Brasil, somada ao incremento dos negócios de empresários nas atividades desenvolvidas pelo turista, acrescentou R$ 2,5 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2016, segundo estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para a empresa de hospedagem compartilhada. Esse incremento de riqueza acrescentado pelo Airbnb à economia brasileira, no ano passado, foi de cerca de 0,04% ante o PIB, de R$ 6,266 trilhões. O resultado apurado pela Fipe levou em consideração o impacto econômico da renda extra obtida pelos anfitriões brasileiros com o aluguel de temporada e os gastos dos viajantes com alimentação, compras, passeios, atrações e transporte, entre outros. Essa movimentação econômica e seus efeitos indiretos e induzidos equivalem à geração de 70 mil novos empregos no país, calculou a Fipe. O estudo mostrou que, fora os gastos com hospedagem, os viajantes que optam pelo Airbnb gastam, em média, três vezes mais que aqueles que se hospedam em hotéis. Esse comportamento fez com que os hóspedes que utilizam a plataforma tenham acrescentado R$ 788,2 milhões a mais ao PIB brasileiro do que se tivessem se hospedado em hotéis ou pousadas, segundo estimativa da Fipe. No Brasil, o Airbnb reúne 143 mil anúncios e registrou mais de um milhão de chegadas de hóspedes em 2016. A plataforma conta com quase 90 mil anfitriões no país. O ganho médio anual de um anfitrião brasileiro típico, no ano passado, foi de R$ 6,07 mil. Segundo o estudo comparativo da Fipe, o número de pessoas que se hospedam por meio da plataforma representa 2,1% do total de hóspedes no Brasil.