Alta tensão no voto, baixa no PIB

Publicado em 13/09/2018 por Folha de S. Paulo Online

Caso persistam os sintomas, não haverá médico que evite estrago ainda maior na economia neste resto do ano e no começo do próximo.

O aperto financeiro que vem mais ou menos desde julho, alta de dólar e juros na praça, deve derrubar um tanto mais o crescimento de 2018 e contaminar pelo menos o começo de 2019.

O arrocho acontece devido à piora na economia mundial e a problemas domésticos.

Pelo menos a metade do problema teria origem caseirinha: governo cada vez mais quebrado, incerteza eleitoral, temor de vitória de candidatos sem capacidade ou desejo de dar um jeito nas contas públicas.

A combinação de tumulto lá fora com maus presságios aqui provocou desvalorização do real e altas das taxas de juros básicos nos negócios do atacadão de dinheiro, o que encarece financiamentos para empresas.

Mais um mês ou dois de aperto vai sufocar ainda mais a atividade econômica.

Economistas que previam crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 1,3% podem revisar a projeção para 1%; outros que davam o chute informado de 1,1% podem limar a previsão até 0,8%.

Parece preciosismo ridículo se ocupar dessas casas decimais. Na prática, esses ticos a menos de PIB têm alguma relevância, embora o cidadão médio não deva perceber a diferença, quase se afogando com a água pela altura da boca ou do nariz.

Para começar, dois anos seguidos de PIB crescendo a 1% significam praticamente estagnação da renda (PIB) per capita, pois a população cresce a 0,8% ao ano, por aí.

Logo, no começo de 2019 estaríamos ainda no fundo do poço em que caímos até o final de 2016.

Mais relevante, a persistência do aperto financeiro ameaça o primeiro trimestre de 2019. Nem é preciso que o Banco Central chancele a alta de juros que já ocorre na praça financeira. Mas pode piorar se assim for.

Na opinião majoritária de gente considerável no "mercado", não haveria ainda motivo para o BC elevar a Selic.

No entanto, caso a alta do dólar seja persistente, com a moeda americana subindo os degraus de R$ 4,20, R$ 4,40, sem sinal de repouso, pode ser que se abra o dique de repasses da desvalorização do real para os preços no varejo. No atacado, os preços já estão pressionados.

Nada disso ainda aconteceu, em parte pelos piores motivos: estagnação, desemprego quase imóvel nas alturas, ociosidade enorme de máquinas e equipamentos. Mas o destino de país tumultuado está de novo batendo à nossa porta na verdade já meio arrombada.

Alta de juros em um país com a economia no fundo do poço, uns 7% abaixo do nível de 2014, é uma perspectiva sinistra.

O antídoto é, em parte, óbvio.

Seja lá qual for seu plano, o candidato tem de apresentar uma alternativa crível para o problema do déficit persistente nas contas do governo e para a dívida que ora cresce sem limite.

Algumas candidaturas têm déficit de crédito nesse aspecto. Mesmo que deem "sinais" de que vão enfrentar a crise fiscal, não vai bastar. Terão de ser claras, o quanto antes. Ainda assim, nestes casos, as dúvidas vão se dissipar apenas quando houver nomes para as equipes econômicas, o que pode demorar até novembro ou dezembro.

Além do mais, quanto mais tarde se falar a sério sobre o assunto, maior o risco de percepção de estelionato eleitoral.

O choque causado por Dilma Rousseff reeleita, na virada de 2014 e 2015, contribuiu para abalar a confiança e foi um dos tantos fatores que engrossaram a recessão medonha.