Baker Tilly, do Reino Unido, prevê crescer 13,5% no Brasil

Publicado em 03/12/2018 por Valor Online

Baker Tilly, do Reino Unido, prevê crescer 13,5% no Brasil

Anna Carolina Negri/Valor

Verkade, da Baker Tilly, 9ª maior do setor de auditoria e consultoria no mundo, descarta fusão com concorrentes

Em meio a um cenário turbulento para as empresas de auditoria e consultoria no Reino Unido, a britânica Baker Tilly International traça suas ações para fortalecimento no mercado global. A expectativa do diretor-presidente Ted Verkade é que a trajetória de crescimento dos últimos anos ao menos continue, tanto nas receitas quanto na equipe, entre 5% e 10%. No ano passado, a Baker Tilly registrou receita mundial de US$ 3,4 bilhões.

No Brasil, a previsão da companhia é avançar 13,5%, para R$ 64 milhões.

Aos 54 anos, Verkade está na empresa desde os 19, quando começou como trainee. Em 2016 assumiu o comando de um negócio com 33,6 mil colaboradores e 125 empresas independentes.

A Baker Tilly é classificada como 9ª maior empresa do setor de auditoria e consultoria no mundo, por receita, pela publicação International Accounting Bulletin (IAB). No Reino Unido, é a 16ª entre as 30 relacionadas pelo IAB. É no mercado britânico que o governo vem pressionando para acabar com a dominância de quatro companhias que lideram o ranking das dez maiores: Deloitte, EY (antiga Ernst & Young), KPMG e PwC, chamadas de as Quatro Grandes, todas com atuação no Brasil.

As propostas discutidas incluem desmembrar as Quatro Grandes em empresas menores, ou separar a parte de auditoria para formar empresas unicamente desse serviço. Outra sugestão é que as demais seis do ranking se consolidem para que tenham musculatura para enfrentar as gigantes, disse Verkade ao Valor, em visita ao Brasil na semana passada. Mas ele destaca que a consolidação não é um caminho fácil. Há culturas diferentes, questões financeiras, conflito de clientes.

A BDO anunciou na semana passada fusão com a rival britânica Moore Stephens, o que já mexe no ranking daquele país. A empresa combinada terá receita de 560 milhões de libras (US$ 713,4 milhões). Com isso, a BDO desbanca do 5º lugar a Grand Thornton.

Esse movimento é parte da consolidação que ocorre em todo o mundo, disse Verkade. Para ele, o rigor dos reguladores e a supervisão sobre o setor têm efeito positivo sobre a qualidade das auditorias, um dos pontos reclamados no Reino Unido.

Mas a Baker Tilly, que não está no meio da polêmica, não considera uma consolidação que envolva sua rede, segundo o diretor-presidente. O foco da empresa está na renovação da marca, com o lema "Now, for Tomorrow", que pretende mostrar o reposicionamento dos negócios, centrado em inovação e proatividade. A nova logomarca será divulgada a partir de hoje em 70 dos 147 países e territórios onde a empresa opera.

"Não vejo no Brasil e em outros países o desconforto nos negócios causados pelas Quatro Grandes", disse Alexandre Labetta, sócio que lidera o negócio no país. "Dizem que as quatro poderiam combinar preços, mas na prática tem achatamento." A rede local, 7ª maior em receita - 45% auditoria e 39% consultoria, entre outros serviços -, está em 8 capitais, com 48 sócios, 400 funcionários e 900 clientes.

"Há possibilidade de a empresa local crescer. Clientes querem ser reconhecidos por uma marca internacional", afirmou Verkade, referindo-se ao suporte internacional que acompanha a marca. Brasil e México representam 50% da empresa na América Latina.