A bolha mais dramática de todos os tempos?

Publicado em 14/11/2017 por Valor Online

Primeiro foram as tulipas na Holanda. Mais recentemente, as ações do setor de tecnologia e então o mercado imobiliário residencial. Ultimamente, o assunto da moda é o bitcoin. Todos os quatro têm um denominador comum: passaram por bolhas financeiras, ou condições parecidas. Os três primeiros acabaram mal. Ainda não se sabe o que aguarda o bitcoin. Mesmo assim, quanto mais moedas digitais surgem, mais barulhento fica o debate em torno das bolhas financeiras, que parecem maiores e mais arriscadas do que antes. As bolhas são manias de investimentos em que os preços sobem tanto que nenhuma análise fundamental consegue justificar exatamente as causas da disparada. As altas dos preços, geralmente acentuadas e rápidas, costumam ser seguidas por estouros que tendem a ser muito graves. Acredita-se que primeira bolha financeira conhecida aconteceu no século XVII, quando os preços das tulipas holandesas tiveram uma alta e uma queda espetaculares. Recentemente, as manias de investimentos incluíram a bolha pontocom no fim da década de 90 e o boom e estouro dos imóveis residenciais, que prepararam o caminho para a crise global de 2008. Agora, a discussão está centrada no bitcoin. A moeda digital superou os US$ 7 mil este mês pela primeira vez desde sua criação, alta de mais de 600% no ano. Três anos atrás, o bitcoin era cotado a US$ 300. Seis anos atrás, a US$ 2. Nos últimos 15 meses, o bitcoin subiu quase oito vezes. Mais ou menos o que o índice Nasdaq subiu nos 15 meses finais da bolha pontocom. Analistas do Bank of America Merrill Lynch alertaram os investidores de que as bolhas financeiras estão "borbulhando" mais do que nunca. As opiniões sobre as grandes oscilações do bitcoin variam. O bitcoin é "a própria definição de bolha", disse em uma conferência Tidjane Thiam, executivo-chefe do Credit Suisse. Jamie Dimon, o executivo-chefe do JP Morgan, chamou o bitcoin de "fraude" que vai "explodir". Lloyd Blankfein, executivo-chefe do Goldman Sachs, disse à CNBC que "talvez o bitcoin seja um tipo de bolha". Mas as evidências de que o setor financeiro está ficando entusiasmado com o bitcoin aumentaram. No mês passado, o Goldman Sachs disse que está considerando a possibilidade de abrir uma mesa de negociação de moedas digitais. E o CME Group anunciou que pretende começar a oferecer contratos futuros de bitcoins. Isso daria aos operadores de Wall Street um espaço para apostar nos preços do bitcoin e se proteger contra a volatilidade, uma medida crucial no avanço do bitcoin nos mercados institucional e de varejo. Mesmo assim, se as bolhas do passado servem de sinal, a valorização espetacular do bitcoin não vai durar para sempre. E quando ela acabar, é melhor olhar para baixo.