Como saber se consórcio é a melhor opção?

Publicado em 16/04/2018 por Jornal do Comércio - RS

Com mais conhecimento sobre o universo financeiro, muitos brasileiros passaram a comprar cotas de consórcio por ser um tipo de investimento programado e inteligente. No entanto, como qualquer outra forma de investimento, optar por consórcio exige atenção, para que seja possível atingir o objetivo previsto e ainda aproveitar da melhor maneira tudo o que a modalidade tem a oferecer.
A primeira coisa que se deve pensar ao investir é o objetivo a ser atingido. Com consórcio, o cliente não depende apenas de sorte para ter acesso a seu crédito, pois também é possível aumentar as chances de contemplação ofertando lances. Porém não se pode esperar que o crédito seja concedido do dia para a noite, por isso é uma modalidade indicada como investimento de médio a longo prazo.
Outro fator relevante é a solidez dos grupos formados pela administradora. Isso porque a inadimplência no pagamento das parcelas pode fazer com que seja necessário mais tempo para que todos sejam contemplados. Por isso, é fundamental pesquisar bem sobre a empresa contratada, levantando o histórico dos grupos e a reputação dela no mercado. Nesse momento, o apoio de um profissional, como o corretor de seguros, pode ajudar.
É importante ter em mente que, para investir, é preciso ter planejamento, para evitar assumir dívidas com as quais o cliente não poderá arcar. Apesar de não haver cobrança de juros, a taxa de administração, seguros e fundo de reserva do consórcio impactam no valor final a ser pago mensalmente e devem estar nos cálculos do investidor.
Para o consórcio imobiliário, outras possibilidades de uso do crédito são construir e reformar, o que muitos não sabem. Ao ser contemplado, o investidor pode optar pelo bem que deseja comprar, desde que seja da mesma natureza da modalidade contratada. Por exemplo, ao contratar um consórcio de automóveis, o cliente pode adquirir um carro, moto ou até um caminhão. Caso o veículo desejado seja mais caro que o crédito adquirido, o cliente paga a diferença; se for mais barato, o restante do crédito pode ser utilizado para pagar as parcelas restantes, o IPVA ou até o seguro.
Tudo depende do objetivo e perfil do investidor. Para os imediatistas ou que buscam um retorno em um período mais curto de tempo, o consórcio é indicado caso o cliente possa se planejar para aplicar em lances, aumentando, assim, as chances de a contemplação acontecer mais rápido. Já se a meta for conquistar o bem a médio ou longo prazo, de forma mais cautelosa, o cliente pode aplicar aos poucos e usufruir do crédito quando for sorteado.
Diretor da Porto Seguro Consórcio