Confira o editorial desta segunda-feira: Otimismo no comércio

Publicado em 12/02/2018 por Correio do Estado


Esperamos que as boas notícias venham não somente do comércio, mas também da indústria. 

O setor agropecuário, já demonstrou estar bem 
Índice divulgado pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), aponta que o setor, depois de dois anos de crise, se reinventou no ano passado e, enfim, voltou a ter resultados positivos, ainda que tímidos.

Reportagem publicada na edição de ontem mostra que o avanço de 0,5% nas vendas, levou entusiasmo aos comerciantes. Mesmo pequeno, o porcentual demonstra força enorme, pois ele é resultado de um trabalho árduo dos empresários para reverter as sucessivas quedas nas vendas. Só por isso, já vale a comemoração.

O otimismo, fruto dos bons resultados, não ocorre somente em território sul-mato-grossense. Na média nacional, o aumento nas vendas durante o ano passado foi de 2%. O bom desempenho em todo o Brasil foi estimulado pelas sucessivas reduções nas taxas de juros e também pela liberação das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). A queda de juros, melhorou a disponibilidade de crédito de mercado, enquanto os bilhões de reais oriundos das contas do FGTS, trouxeram mais liquidez à economia. O comércio agradeceu.

O ano passado também foi especial para o comércio, no quesito reorganização. Depois de dois anos de queda nas vendas, os empresários tiveram de se reinventar, seja com promoções, com um controle de estoque mais eficiente ou com vários ajustes, que vão desde à cortes de gastos com consumo. Depois de um ano de muitas mudanças de comportamento e, consequentemente, de muito esforço, a retomada do crescimento nas vendas pode ser considerada um prêmio para os que se dedicaram a ela.

Este desempenho do comércio mostra que o setor, historicamente o motor das economias capitalistas, está fazendo a parte que lhe cabe para recuperar o crescimento. As lojas e os prestadores de serviço são a engrenagem final de um sistema que tem entre outras peças, a geração de matéria prima e a indústria. O estímulo ao consumo, gera demanda, que por sua vez, impulsiona toda a engrenagem citada acima. 

O setor público também depende muito do bom desempenho do comércio. Os impostos gerados pelas empresas deste setor, são importantíssimos para os cofres do município e do Estado. Resultam em dinheiro para obras e pagamento dos salários dos servidores. 

O que, em primeiro lugar, deve ser comemorado, é o otimismo gerado pela alta nas vendas e no faturamento. Notícias boas, geram outras melhores ainda. Melhores resultados financeiros e aumento de demanda podem se transformar em investimentos por parte dos empresários, com um efeito deveras multiplicador. 

Esperamos que as boas notícias venham não somente do comércio, mas também da indústria. No setor agropecuário, já sabemos que os bons resultados se mantiveram mesmo durante a crise, e evitaram o pior no decorrer deste período desafiador, que parece estar chegando ao fim.