Consignados representam 70% do total de empréstimos

Publicado em 09/08/2018 por Correio do Estado

CAMPO GRANDE

Consignados representam
70% do total de empréstimos

Financeiras destacam estabilidade em operações, mas com alta no refinanciamento e na portabilidade

Mesmo com o desaquecimento da economia, operações de crédito consignado em Mato Grosso do Sul mantêm estabilidade neste ano em relação ao anterior, favorecidas por duas reduções de taxas de juros em 2017 e pela demanda na renovação de empréstimos e na portabilidade de crédito. Dependendo da financeira e da cartela de clientes atendida, hoje essas modalidades de negócio correspondem até a 70% do volume de contratações, diante de 60% no ano passado. 

Sócio-proprietário da Veloz Cred, Joel Silva Barbosa avalia que o mercado está “estabilizado” e, entre as razões, estão as próprias características da modalidade de crédito. “Como trabalhamos com o servidor público, em que o investimento é em bens de consumo, de certa forma, a crise estimula a busca por crédito. É diferente de linhas de crédito para empresas do setor privado, por exemplo. A empresa para de investir. A crise de investimento em novos negócios não interfere muito na busca pelo crédito consignado. Há uma estabilidade porque aquele servidor e aquele aposentado que tomam dinheiro emprestado, quando se abre margem, eles vão atrás do crédito”, comentou. 

No entanto, ele destaca que a maioria dos clientes que tem procurado a empresa está com margem comprometida e, por esse motivo, a grande parcela dos contratos é para renovação e portabilidade de dívidas. “Quem é tomador de crédito não está fechando novos empréstimos por não ter margem disponível. Às vezes, pegamos um contrato de quem já pagou 15 parcelas e fazemos”, afirmou. 

*Leia a reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.