Governança é limitada entre estatais

Publicado em 11/10/2017 por DCI

11/10/2017 - 05h00

Governança é limitada entre estatais

São Paulo - Apenas 17% das empresas estatais listadas na bolsa de valores do País se situam no Nível 2 e Novo Mercado, segmentos de maior exigência nas práticas de governança corporativa. Os dados são do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

A pesquisa Governança Corporativa em Empresas Estatais Listadas no Brasil, lançada ontem, busca mostrar uma nova perspectiva sobre o tema e, dentre os destaques, a publicação aborda o nível de interferência e a independência política nos conselhos de administração, os conselheiros independentes - representando apenas 11% dos membros destes órgãos -, os comitês de assessoramento do conselho, a indicação de cargos para diretoria, a autorregulação e o gerenciamento de riscos - em 36% das empresas estatais listadas, não foram identificados mecanismos formais para gestão de riscos , entre outros.

"Os casos mais recentes associados às empresas estatais estão diretamente atrelados à ausência de boas práticas de governança corporativa, tanto no processo de seleção dos administradores quanto no direcionamento estratégico", diz a superintendente geral do IBGC, Heloisa Bedicks.

"A proposta é mostrar o quanto o desenvolvimento e a adoção de práticas e padrões de governança podem ajudar as empresas estatais a obter resultados sustentáveis no longo prazo e auxiliar no alinhamento dos conflitos existentes entre os acionistas."

Segmentos

A pesquisa traz, ainda, informações sobre a presença atual das sociedades de economia mista no Brasil, no que se refere aos segmentos de listagem, capitalização de mercado, setor de atividade e até mesmo distribuição geográfica.

Para isso, foram usados dados das 30 sociedades de economia mista listadas nos segmentos de governança corporativa (Novo Mercado, Nível 2, Nível 1 e Tradicional).

Entre essas empresas, um total de 60,1% estavam no segmento Tradicional. Em seguida, estava o Nível 1, com 23,3% do total, Novo Mercado (13,3%) Nível 2 (3,3%).

Da redação

Assuntos relacionados:

bolsa de valores