Governo da Itália reafirma que não voltará atrás com plano orçamentário em meio a aumento da pressão

Publicado em 10/10/2018 por Terra

Governo da Itália reafirma que não voltará atrás com plano orçamentário em meio a aumento da pressão

O governo da Itália afirmou nesta quarta-feira que não vai voltar atrás com os planos de aumentar o déficit orçamentário, indo ainda mais contra o mercado financeiro e a pressão da União Europeia e descartando as críticas da agência orçamentária do Parlamento.

Na terça-feira, a agência se recusou a validar o plano orçamentário para vários anos, que levou investidores nervosos a se deslocarem em massa da dívida soberana da Itália, dizendo que as projeções para o crescimento econômico são otimistas demais.

Mas o ministro da Economia, Giovanni Tria, esforçando-se para impor suas visões como uma influência moderadora sobre questões fiscais dentro do gabinete, disse que o governo considera apropriado confirmar essas projeções.

"A alta dos rendimentos nos títulos estatais registrada nos últimos dias é certamente preocupante, mas quero repetir que é uma reação excessiva que não é justificada pelos fundamentos econômicos da Itália", disse Tria ao Parlamento pelo segundo dia seguido.

Ele disse que o déficit será de 22 bilhões de euros no próximo ano com o orçamento incluindo 15 bilhões de euros em cortes e receita extra, para cobrir 37 bilhões no total de gastos adicionais descrito no plano.

O governo, que assumiu em junho, determinou o déficit do próximo ano em 2,4 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), três vezes o previsto pela administração anterior.

O crescimento econômico é estimado em 1,5 por cento no próximo ano, 1,6 por cento em 2020 e 1,4 por cento em 2021. A opinião do escritório de orçamento do Parlamento não é vinculativa, mas a sua rejeição das projeções de crescimento forçou Tria a retornar ao Parlamento para explicações.

Reuters

Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente