Guia Tático da Libertadores: Reencontro de Felipão e clássico argentino

Publicado em 09/08/2018 por Yahoo Brasil

Felipão comandando treino do Palmeiras (DJALMA VASSÃO/Gazeta Press)Felipão comandando treino do Palmeiras (DJALMA VASSÃO/Gazeta Press)

Por Rodrigo Coutinho (@RodrigoCout)

A fase decisiva da Libertadores da América 2018 começa! E o Yahoo Esportes traz pra você uma espécie de guia para que possa acompanhar os jogos sabendo exatamente como atuam as 16 equipes que ultrapassaram a barreira da primeira fase. A cada dia da fase você poderá conferir as prévias dos jogos, passando pelas três partidas que acontecerão nesta quinta (8).

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

River Plate x Racing

Jogo de ida: 09/08, às 19h30 (horário de Brasília), em Avellaneda (Argentina)
Jogo de volta:
29/08, às 19h30 (horário de Brasília), em Buenos Aires (Argentina)

Como River Plate e Racing devem entrar em campo (Reprodução)Como River Plate e Racing devem entrar em campo (Reprodução)Como River Plate e Racing devem entrar em campo (Reprodução)

Um time em ascensão. Esta é a impressão deixada pelo River Plate. Os Millionarios começaram a temporada 2017/2018 muito mal. Gallardo parecia desgastado no comando da equipe e a 21ª colocação na Superliga Argentina deu o tom da fase. Veio o mercado de verão e algumas contratações elevaram o nível do elenco. Aos poucos o time foi dando liga dentro de campo, se recuperando no certame nacional (terminou na 8ª colocação) e liderou com merecimento o seu grupo com Flamengo, Emelec e Santa Fé. Mesmo que o futebol apresentado não tenha sido de altíssimo nível e a equipe talvez frustre quem espera algo mais plástico de um plantel com nomes como Pitty Martinez, Enzo Perez, Quintero e Scocco, não dá pra duvidar da competitividade dos argentinos. Na última Libertadores, mesmo vivendo a péssima fase já citada e com um rendimento pra lá de questionável, chegaram às semifinais contra o Lanús e só foram eliminados após uma virada épica dos ”Granetes”. Ofensivamente, o River sofre para gerar espaços contra defesas fechadas. Tem faltado mais mecanismos coletivos neste aspecto, por mais que a qualidade técnica seja muito grande. Não é raro ver os Millionarios acelerando demais as jogadas e precipitando passes. Nas transições, porém, é forte! Reage rápido à perda da bola, criando situações de sufocamento aos adversários no Monumental de Nuñez. Defensivamente é muito intenso e firme.Curiosamente não fez nenhuma contratação neste meio do ano e perdeu cinco peças do seu elenco, duas delas (Saracchi e Auzqui) eram bastante utilizadas. Já as outras (Rojas, Larrondo e Rossi) não eram tão utilizadas. Gallardo monta seus jogadores em um 4-1-3-2, com variação para linha de quatro no meio. É provável que Quintero e Enzo Pérez, que jogaram a Copa do Mundo, fiquem no banco de reservas no primeiro jogo. Se isso acontecer, Ignacio Fernandez e Palacios jogam.

Números interessantes do River Plate (Fonte: Wyscout)Números interessantes do River Plate (Fonte: Wyscout)Números interessantes do River Plate (Fonte: Wyscout)

Depois de um início avassalador de Libertadores, produzindo o melhor futebol das três primeiras rodadas, o Racing acabou decepcionando e ficando com a segunda colocação do complicado grupo com Cruzeiro, Universidad de Chile. Não quer dizer, porém, que ”La Academia” está descartada na luta pelo título, muito pelo contrário. Por mais que tenha perdido jogadores importantes, o time de Avellaneda deve seguir muito competitivo, como sempre prega o seu incansável comandante. Eduardo Coudet faz o estilo intenso! Seu comportamento a beira do gramado e nos treinamentos é refletido pela equipe dentro de campo. ”El Cholo” assumiu o Racing, no meio da temporada argentina, e recuperou o rendimento da equipe. Em 21 jogos, perdeu apenas cinco duelos e terminou a Superliga na 7ª colocação. A grande preocupação está na saída de três titulares importantes. O goleiro Musso foi para a Udinese, o talentosíssimo Lautaro Martinez para a Inter de Milão e o volante Diego González para o Tijuana do México. A reposição foi feita com o questionável Gabriel Arias na meta e Gustavo Bou, velho conhecido do clube, no ataque. O clube busca um volante. Até o fechamento deste texto não havia confirmado Marcelo Diaz da seleção chilena. Pensou em Sebastien Perez, do Boca Juniors, mas este não poderia jogar a Libertadores. Allione foi outra aquisição para reforçar o elenco. O Racing joga em um 4-1-3-2 e costuma pressionar bastante a saída de bola adversária. Por vezes peca na compactação defensiva, apesar do espaçamento da equipe ser algo planejado dentro da ideia de Coudet de fazer a pressão. Ofensivamente tem a tendência da aceleração das jogadas. Não se trata de um jogo direto, mas sim muita movimentação, presença no terço final e passes em profundidade para aproveitar as infiltrações. Time forte na bola parada/aérea ofensiva.

Números interessantes do Racing (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Racing (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Racing (Fonte: Wyscout)

Atlético Nacional x Atlético Tucumán

Jogo de ida: 09/08, às 21h45 (horário de Brasília), em Tucumán (Argentina)
Jogo de volta: 28/08, às 21h45 (horário de Brasília), em Medellín (Colômbia)

Como os Atléticos devem entrar em campo (Reprodução)Como os Atléticos devem entrar em campo (Reprodução)Como os Atléticos devem entrar em campo (Reprodução)

Refém do seu próprio sucesso recente, o Atlético Nacional, por mais incrível que possa parecer, chega pressionado ao confronto contra o Tucumán. O mais desavisado que ler a frase anterior não entenderá o contexto. Explicando: os Verdolagas construíram tal superioridade nos últimos anos em solo colombiano, vencendo os principais torneios, e se destacando internacionalmente, que quando não levantam o caneco, a cobrança vem forte. Apesar das duas derrotas fora de de casa para Delfín e Bolivar na primeira fase da Libertadores, os campeões de 2016 se classificaram tranquilamente em um grupo que tinha o tradicional Colo-Colo e logísticas complicadas contra os dois adversários citados anteriormente. O problema em si não apareceu na Libertadores, mas sim no Campeonato Colombiano. O Atlético Nacional liderou todo o torneio com folga, mas perdeu a final do Apertura (disputado no primeiro semestre) para o Tolima. Na reta final da fase de grupos e do certame nacional apareceu uma grande dificuldade de converter em gol as muitas oportunidades. O fenômeno vem se estendendo ao início do Clausura e a campanha até aqui é irregular. Superar isso é o desafio do técnico argentino Jorge Almiron, que comandou o vice-campeão Lanus em 2017. O estilo de jogo é o mesmo dos ”Granetes”. Posse de bola, aproximação, troca de passes incessante até abrir o espaço e movimentação bem coordenada para ser objetivo. Oscila quando o adversário vence o ”perde-pressiona” da transição defensiva, mas é uma equipe extremamente agradável de se assistir. O clube perdeu Macnelly Torres e Arias, dois experientes que já não vinham jogando tão bem. E apostou em alguns jovens colombianos promissores no mercado. O lateral-esquerdo Machado chegou para dar mais ofensividade ao setor. Candelo já se destaca no meio-campo. Rivas é um ponta rápido e habilidoso. Juan Pablo Ramirez e Omar Duarte são ótimas prospecções! O time joga no 4-3-3 e ganhou também o reforço do goleiro Camilo Vargas, ex-seleção.

Números interessantes do Atlético Nacional (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Atlético Nacional (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Atlético Nacional (Fonte: Wyscout)

O que esperar de um clube que chega pela primeira vez ao mata-mata, nunca foi campeão em seu país e troca vários jogadores do elenco em relação à primeira fase? A pergunta é feita em cima da realidade do Atletico Tucumán, que disputa a sua segunda Libertadores e em 2017 foi o primeiro clube do norte do país a alcançar a competição. Pouca coisa leva a crer que a equipe surpreenderá o Atlético Nacional, mas em se tratando de Libertadores nada é impossível. Principalmente pelo estilo das equipes: completamente diferentes. Vimos acima que os Verdolagas são o time da posse, do ataque posicional e da ofensividade. El Decano é o oposto disso. Uma equipe que tem imensas dificuldades de produzir jogadas mais perigosas. Utiliza-se muito das bolas diretas para criar, mas até nisso falta uma melhor execução. Acaba jogando bastante no erro do adversário e para isso conta com uma boa marcação, onde vemos poucas perseguições e uma equipe quase sempre bem posicionada, compacta, negando espaços ao oponente. A vaga foi obtida após uma campanha de recuperação. Começou muito mal num grupo com The Stromgest, Peñarol e Libertad, mas venceu três jogos seguidos e acabou roubando a vaga que ”seria” dos tradicionais aurinegros uruguaios. O técnico é Ricardo Zielinski pela terceira temporada seguida. Nunca teve tanto destaque no futebol argentino. Contratou nove jogadores e perdeu 14. A grande maioria, porém, fazia parte do time reserva. Somente o goleiro Batalla, o lateral-direito Villagra e o zagueiro Rafael Garcia eram considerados titulares. Para repor, trouxe o zagueiro Bianchi e o lateral-direito San Roman. No gol, o experiente Lucchetti havia se recuperado de lesão no joelho, mas voltou a se machucar e virou dúvida. O alvianil apostou na experiência de dois atletas neste janela: Mercier e Mauro Matos, campeões com o San Lorenzo, devem ser titulares na sequência da competição. Costuma jogar no 4-4-2.

Números interessantes do Atlético Tucumán (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Atlético Tucumán (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Atlético Tucumán (Fonte: Wyscout)

Palmeiras x Cerro Porteño

Jogo de ida: 09/08, às 21h45 (horário de Brasília), em Assunção (Paraguai)
Jogo de volta:
30/08, às 21h45 (horário de Brasília), em São Paulo

Como Palmeiras e Cerro Porteño devem jogar (Reprodução)Como Palmeiras e Cerro Porteño devem jogar (Reprodução)Como Palmeiras e Cerro Porteño devem jogar (Reprodução)

Roger Machado não resistiu a pressão descabida que acontece dentro do Palmeiras e foi demitido após uma sequência de atuações irregulares no retorno da Copa do Mundo. Se alguém que tenha acompanhado só os jogos do Verdão na Libertadores ler a frase que abre esta análise terá dificuldades para entender. Como a equipe de melhor campanha na primeira fase e que apresentou o desempenho mais regular demite o técnico? Difícil responder. O que podemos dizer é que o Porco começa do zero, ou perto disso, o ajuste do time para encarar o Cerro Porteño. Impossível prever o que acontecerá. Pela imensa diferença de qualidade técnica entre um time e outro, o Palmeiras é o favorito, mas a Libertadores já ensinou lições parecidas com essas. Não basta ser melhor tecnicamente. É preciso ter padrão coletivo e força mental! O escolhido para assumir a equipe é Luiz Felipe Scolari, multicampeão pelo clube e figura que pode servir de escudo para a ”cornetagem” que anda em alta no Palestra. Sobre estilo de jogo, o que podemos dizer é que as equipes de Roger e Felipão são bem diferentes. Um gosta da posse, construção mais baseada em ataque posicional. O outro é adepto do jogo direto, uso do pivô, cruzamentos. Defensivamente têm semelhanças na transição defensiva e ambos utilizam encaixes para marcar. Machado, porém, pede perseguições curtas para não desorganizar o posicionamento. Scolari exige mais intensidade, e por isso as perseguições acabam sendo um pouco mais longas, o que precisa ser bem treinado para que espaços não apareçam. Treinar é algo que o Verdão terá pouco tempo pra fazer com Felipão. Como vemos, o Palmeiras pode ter criado um problema de difícil resolução para si. A perda mais relevante do elenco foi o atacante Keno, ainda não reposta, mas há muita qualidade no plantel.

Números interessantes do Palmeiras (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Palmeiras (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Palmeiras (Fonte: Wyscout)

Forte fisicamente, bom na bola aérea e perigoso em velocidade pelos lados do campo. O Cerro Porteño que encara o Palmeiras na Libertadores pode ser resumido desta forma. O time comandado pelo jovem argentino Luis Zubeldia é um adversário bem competitivo. A chamada ”carne de pescoço” pelos mais antigos. O 5 a 0 aplicados pelo Grêmio na primeira fase em Porto Alegre estão completamente fora da curva desta equipe. Por mais que o elenco tenha peças históricas no futebol latino, como o lateral-esquerdo uruguaio Alvaro Pereira e o atacante reserva Haedo Valdez, não se trata de um elenco muito qualificado tecnicamente. O trato vistoso da bola não é a principal referência do Cerro versão 2018. Trata-se muito mais de uma equipe que tenta levar os jogos para o lado da disputa intensa, da força física e resolver com o bom Diego Churín, centroavante argentino de 29 anos. Zubeldia, o comandante, tem apenas 37 anos e assumiu o comando em fevereiro, após passagem frustrada pelo Alavés na Liga Espanhola. Com ele, o time paraguaio tem 17 vitórias em 30 jogos, apenas quatro derrotas. O Cerro Porteño foi vice-campeão do último campeonato nacional, 11 pontos atrás do Olímpia, mas na primeira fase da Libertadores fez aquilo que dele se esperava. Tirando a acachapante goleada sofrida para o Grêmio, venceu quatro jogos e empatou um em chave bem acessível. Jogando em seus domínios, o agora remodelado Estadio General Pablo Rojas, conhecida como ”Nueva Olla”, o azulgrená vem mostrando-se forte e exerce pressão nos rivais. Não teve tantas perdas consideráveis no elenco. A principal delas foi a saída do atacante Insaurralde, mas reposta com Dening, que vem sendo titular. Jorge Benitez foi outro a chegar. O time varia entre o 4-4-2, geralmente utilizado em jogos que precisará tomar a iniciativa de atacar, e o 4-1-4-1, usado de forma mais reativa.

Números interessantes do Cerro Porteño (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Cerro Porteño (Fonte: Wyscout)Números interessantes do Cerro Porteño (Fonte: Wyscout)