Lucro da Petrobras fica abaixo do projetado por analistas

Publicado em 07/11/2018 por Valor Online

SÃO PAULO  -  (Atualizada às 13h) Embora o lucro líquido atribuível aos acionistas da Petrobras tenha saltado 25 vezes em relação ao terceiro trimestre do ano passado, o valor de R$ 6,64 bilhões ficou abaixo da expectativa de analistas do mercado financeiro. A média das projeções de cinco instituições consultadas pelo Valor apontava para ganho líquido da ordem de R$ 10,8 bilhões no terceiro trimestre, montante 40 vezes superior ao apurado em igual intervalo de 2017.

A empresa explicou que seu resultado foi afetado por fatores não recorrentes, como contingências judiciais, depreciação de ativos e baixas contábeis. 

>> Leia maisLucro da Petrobras no trimestre sobe 25 vezes e atinge R$ 6,6 bilhões 

Pela manhã, os papéis da estatal caíram forte, mas as perdas foram reduzidas no começo da tarde e as ações chegeram a subir pouco. Perto das 13h, as ações ordinárias perdiam 0,26%, a R$ 30,57 - depois de recuarem a R$ 29,54, e as preferenciais recuavam 0,36%, a R$ 28,06 - chegaram a mínima de R$ 26,99. 

Os resultados da Petrobras vieram abaixo das expectativas dos analistas da XP Investimentos por causa de fatores como maiores gastos com importações de diesel, menores receitas com exportação relacionadas à menor produção de petróleo e efeitos não recorrentes, como o acordo firmado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos no valor de R$ 3,5 bilhões.

>> Leia maisPetrobras vai pagar R$ 1,3 bilhão em juros sobre capital próprio 

Em relatório divulgado nesta terça-feira (6), a XP Investimentos manteve a recomendação de compra para as ações da Petrobras, com preços-alvo de R$ 33 para as preferenciais e de R$ 32 para as ordinárias. 

A expectativa da XP era que o lucro da Petrobras no trimestre chegasse a R$ 11,53 bilhões, bem acima dos R$ 6,64 bilhões informados pela estatal mais cedo. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) veio 8,3% abaixo da estimativa, que era de R$ 35,73 bilhões.

Os analistas dizem que, apesar da decepção, o terceiro trimestre não reflete um cenário de operações "normalizadas" para a Petrobras, uma vez que a empresa teve que aumentar sua participação no mercado de importações, já que operadores independentes enfrentam dificuldades sob o atual regime de subsídios ao diesel.

O Goldman Sachs tem uma visão negativa sobre os resultados da Petrobras no terceiro trimestre do ano, que vieram abaixo das estimativas do banco, especialmente o Ebitda (sigla em inglês para resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Em relatório, os analistas Bruno Pascon, Victor Hugo Menezes e Julia Borges apontaram que a geração de fluxo de caixa livre veio menor no terceiro trimestre refletindo o aumento nos investimentos, necessários para reverter a tendência negativa de produção, que acumula queda de 6% no ano.

Nos nove primeiros meses do ano, a Petrobras investiu US$ 10,1 bilhões, ante a projeção de desembolsar US$ 15 bilhões ao longo do ano. "Portanto, esperamos que o [investimento] continue aumentando nos próximos trimestres", diz o relatório.

O Goldman Sachs espera uma taxa de retorno do fluxo de caixa livre de 8,3% entre 2019 e 2020. A justificativa é a expectativa de que a geração de Ebitda no segmento de exploração e produção deve crescer com a alta do preço do petróleo, e mais que compensar os efeitos negativos vindos da revisão da política de preços de combustíveis no Brasil e também das estimativas de investimentos do banco, que apontam para desembolsos de US$ 15 bilhões a US$ 17 bilhões entre 2018 e 2019, acima do nível de 2017, de US$ 12,8 bilhões.

O banco manteve a recomendação neutra para as ações da Petrobras, com preço-alvo de R$ 23,50 para as ações preferenciais e R$ 25 por ordinária.